ATUALIZANDO A DISCOTECA: Tarja, “Act II” (2018)

Assinar blog por e-mail

Digite seu endereço de e-mail para assinar este blog e receber notificações de novas publicações por e-mail.

tarja Act II
Tarja: “Act II” (2018, Shinigami Records, earMUSIC) NOTA:9,0

Tarja Turunen marcou o Heavy Metal do fim do século XX!

Sua voz lírica quase celestial guiava o crescimento da banda finlandesa Nightwish, sendo o ponto diferencial dentre tantas bandas que desdobravam o metal sinfônico fundido aos aspectos góticos.

O fato é que ela ajudou não só a criar uma personalidade musical cativante do Nightwish naqueles tempos, como de todo um braço de um subgênero que foi quase hegemônico na virada do milênio.

Tanto que sua conturbada saída da banda finlandesa caiu como uma bomba no meio do heavy metal e muitos se perguntavam qual seria o caminho de Tarja, pois para muitos o Nightwish se restabeleceria com um nova vocalista rapidamente.

Mas a realidade nos mostrou que Tarja teve muito mais inteligência na condução de sua carreira após a ruptura com o Nightwish, apostando na versatilidade ao longo de ótimos álbuns.

Ela sempre dispôs periodicamente materiais para seus fãs (ao contrário de sua ex-banda), não deixando-os sedentos por muito tempo, e agora é a vez de “Act II”, segundo disco ao vivo de sua carreira solo, que chega após o From Spirits and Ghosts (Score for a dark Christmas)”álbum em que Tarja explorou um apelo mágico, místico e sombrio entremeado à grandiloquência das músicas natalinas.

Como o próprio título nos diz, “Act II” é uma continuação de “Act I” (2012).

Claro que a abordagem neste segundo ato discográfico ao vivo é um tanto diferenciada, representando um momento outro da carreira de Tarja. A própria capa dá essa mensagem, evocando os motivos gráficos de “Act I”, mas de uma forma mais moderna e amadurecida.

show registrado no CD duplo foi realizado em Milão, na Itália, em novembro de 2016, nos dá o melhor dos dois mundos de sua música: a tenacidade do rock/metal (como na nervosa “Shameless”) e o emocional sinfônico (bem resumido em “Innocence” e no desfecho com “Until My Last Breath”), muito pela polivalência da soprano finlandesa.

mini set acústico no segundo CD, com as faixas “Until Silence”, “The Reign”, “Mystique Voyage”, “House of Wax”, e “I Walk Alone”, é uma aula de sentimento musical e controle de voz, além de um dos pontos altos do trabalho.

Ela consegue ser magnifica com seu tom sirênico mesmo em composições que não foram construídas para sua voz, como nas interpretações impecáveis de “Goldfinger” (tema do filme homônimo da franquia “007”, originalmente interpretado por Shirley Bassey) e “Supremacy” (composição da banda Muse, renovada pela personalidade de Tarja no álbum “The Shadow Self”).

Lógico que as canções do Nightwish aparecem no repertório, mesmo porque Tarja nunca renegou sua carreira com a banda, mas elas aparecem apenas no medley “Tutankhamen – Ever Dream – The Riddler – Slaying the Dreamer”, ao fim do primeiro CD, já se mostrando heterogêneas quando misturadas às músicas de sua carreira solo. Essa pista não deixa dúvidas de qual é o foco de “Act II”.

O ótimo “The Shadow Self” é tocado quase que na íntegra (justificável pelo registro ser feito na turnê mundial deste disco), com destaque às interpretações de “No Bitter End” (abertura mais direta e pesada em dupla com “500 Letters”), “Demons In You” (cujo groove vigoroso ganhou ainda mais potência ao vivo), e “The Living End”(belíssima balada de leve tempero folk escandinavo).

E principalmente nas canções não pinçadas de  “The Shadow Self”, onde isso já acontecia, percebemos que os elementos sinfônicos estão mais dramáticos e emocionais do que bombásticos, como vemos em “Lucid Dreamer” (essa com passagens viajantes e uma aula lírica de Tarja), “Deliverance” “Die Alive”, além do medley do Nightwish.

Tarja está bem amparada por músicos competentes (muita atenção ao instrumental de “Calling From The Wild”), que dão exatamente o que as canções precisam, sabendo quem é a estrela da companhia, além de inserir um consistente suporte nos backing vocals e nos momentos em que vocais masculinos são exigidos.

Act II” não é nada além de duas horas de celebração do extremo bom gosto em prol do heavy rock! 

TRACK LIST

CD1

1. No Bitter End
2. 500 Letters
3. Eagle Eye
4. Demons In You
5. Lucid Dreamer
6. Shameless
7. The Living End
8. Calling From The Wild
9. Supremacy
10. Tutankhamen – Ever Dream – The Riddler – Slaying the Dreamer

CD2

1. Goldfinger
2. Deliverance
3. Acoustic Set: Until Silence – The Reign – Mystique Voyage – House of Wax – I Walk Alone
4. Love To Hate
5. Victim of Ritual
6. Undertaker
7. Too Many
8. Innocence
9. Die Alive
10. Until My Last Breath

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *