ATUALIZANDO A DISCOTECA: Madball, “For the Cause” (2018)

Assinar blog por e-mail

Digite seu endereço de e-mail para assinar este blog e receber notificações de novas publicações por e-mail.

Madball For the cause FRONT
Madball: “For the Cause” (2018, Shinigami Records, Nuclear Blast) NOTA:9,0

Dizer que o Madball se tornou uma instituição do hardcore novaiorquino é tão clichê quanto verdadeiro, afinal a banda é um dos pilares do segmento, acumulando três décadas de carreira guiada pela dupla Freddy Cricien (vocal) e Jorge “Hoya Roc” Guerra (baixo).

“For the Cause” é o nono full lenght da banda, trabalhado no puro hardcore, com a  vibração das ruas sujas das grandes metrópoles e a urgência das almas inconformadas que completam a paisagem urbana.

Fato comprovado em faixas como “Rev Up”, com seu refrão imperativo e despojamento punk, assim como “Tempest” (e suas sombras da fusão do hardcore com o hip hop), “Lone Wolf”, e “Diamond Gods” (pulsante).

Musicalmente, é perceptível que as treze faixas (sendo uma bônus) de “For the Cause”, desfiladas em trinta e cinco minutos, trazem o típico hardcore novaiorquino aditivado de outras formas da música pesada.

Não seria exagero dizer que “For the Cause” traz um hardcore mais cerebral, mas não menos revolto e inconformado.

A força do thrash metal ajuda a abrir “For the Cause”, com a vibe groovada e energética de “Smile Now Pay Later”que se apresentará novamente em “Confessions” (a faixa bônus), “Old Fashioned” (de guitarras trampadas) e “Es Tu Vida” (cantada em espanhol), guiadas pela bateria monstruosa  e pelas guitarras carnudas desenhando um instrumental maciço e pesado.

Na outra ponta das influências temos a simplicidade cativante do punk/rock n’ roll, desenhando um traço mais agressivo do sleazzy rock em faixas cativantes como “Freight Train” (e seu refrão calcado no hard rock), e “The Fog”.

Mas não pense que no geral o trabalho é apenas contundente.

O poder de cativar advém dos riffs dinâmicos, refrãos firmes e melódicos, além dos breakdowns empolgantes e do bem administrado tempero hip hop em algumas linhas vocais, como em “Evil Ways”, a melhor do álbum, contando com  a participação de Ice-T, e na faixa-título.

Uma dinâmica diversificada que amplia o prisma sonoro do Madball, mas sem perder a raiva inerente ao hardcore. 

As músicas de “For the Cause” trazem honestidade, transparecendo que o trio (completado oficialmente pelo baterista Mike Justian, com técnica precisa para o gênero) pratica exatamente a música que quer, colocando puro sentimento em cada canto dos arranjos.

“For the Cause” ainda traz uma importante mudança na formação. A saída do guitarrista Brian “Mitts” Daniels abriu espaço para o retorno de Matt Henderson, ao menos em estúdio, pois ele não estará na turnê e também não participou do processo de composição.

Além disso, temos a participação de Tim Armstrong, do Rancid, como co-produtor de “For the Cause” ao lado da banda, que registrou as composições no estúdio de Tim, em Los Angeles, que também aparece com seus vocais na já citada “The Fog”.

Em suma “For the Cause” é um disco energético que mostra um Madball vivo e ativo por uma causa mais madura do hardcore novaiorquino.

Tracklist

1. Smile Now Pay Later
2. Rev Up
3. Freight Train
4. Tempest
5. Old Fashioned
6. Evil Ways feat. Ice T
7. Lone Wolf
8. Damaged Goods
9. The Fog feat. Tim Timebomb
10. Es Tu Vida
11. For You
12. For The Cause
13. Confessions

Formação:

Freddy Cricien – Vocal
Jorge “Hoya Roc” Guerra – Baixo
Mike Justian – Bateria

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *