ATUALIZANDO A DISCOTECA: Incarnal, “Mortuary Cult” (2017)

Assinar blog por e-mail

Digite seu endereço de e-mail para assinar este blog e receber notificações de novas publicações por e-mail.

a3250150339_10
Incarnal: “Mortuary Cult” (2017, Via Nocturna) NOTA:8,0

Eis uma banda polonesa de Death Metal chegando a seu terceiro full lenght praticando uma forma tipicamente sueca e old school do Death Metal, numa avalanche sonora com distorção característica a nomes como Entombed, Dismember e Carnage, dotada de groove bem controlado através de arranjos dinâmicos e vocais relativamente variados em sua abordagem.

Mas não pense que o quinteto se vale apenas do peso sujo que camufla as harmonias esmeradas de guitarra, ora incisivas, ora melódicas, por uma produção orgânica (à cargo da própria banda) que canaliza a potência crua da seção rítmica, onde o baixo encorpado contorna a bateria seca.

Afinal, mesmo que tudo isso esteja presente nas composições deste “Mortuary Cult”, elas vão além destes preceitos antigos, por um olhar moderno sobre a estética clássica e tangencias com o Black Metal (chegando a lembrar o Bloodbath), mostrando que sabem desviar da mesmice por detalhes interessantes, sem perder peso ou intensidade.

Confira a faixa “In Blood I Bathe”… 

E isto só é possível por causa do ótimo trabalho de guitarras desenvolvido por Krzysztof Kiecana e, em especial, Aleksander Szymański, que são capazes de conferir a dose de imprevisibilidade melódica que tornará estas oito faixas mais cativantes do que se espera.

Por mais que o som seja familiar aos iniciados no modelo sueco do Death Metal, existem alguns “sustos” nos arranjos, seja pelas passagens instrumentais climáticas (como no final acústico de “Wolves of the God”) ou pelos teclados dramáticos pontuais de “Under the Sign of Fire”.

Todavia, não se engane, pois o que é desfilado na maioria dos trinta e cinco minutos de “Mortuary Cult” é um Death Metal de alta rotação, e intensidade elevada, como mostram faixas destacáveis do quilate de ” Night on Bald Mountain”, “In Blood I Bathe”, “In Death We Trust “ e “Bestial Rising Tide”.

Se o Death Metal à moda sueca é a sua praia, então não deixe de conferir este trabalho. Pode ser que agrade.

Comentários

Deixe uma resposta