ATUALIZANDO A DISCOTECA: Ed Motta, “Perpetual Gateways” (2016)


Assinar blog por e-mail

Digite seu endereço de e-mail para assinar este blog e receber notificações de novas publicações por e-mail.

edmottaperpetualgatewayscapa
Ed Motta: Perpetual Gateways (2016, Lab344)

Eis um dos nomes mais brilhantes dentro da música nacional na última década.

Vejo certa má vontade para com a arte musical de Ed Motta, seja por suas recentes declarações polêmicas (a verdade dói!), seja pela riqueza intelectual de sua obra, interpretada por alguns como arrogância musical.

Todavia, poucos possuem a habilidade de transitar por estilos, harmônias e melodias variados de modo tão fluido e envolvente quanto Ed Motta, um estranho no ninho da MPB atual.

Sem sombra de dúvidas, a maturidade fez bem para sua música e o álbum anterior, AOR (um dos melhores álbuns de 2013), já mostrava que ele havia desenvolvido sua alquimia musical, baseada em melodias pop e requintes jazzísticos, de modo magnífico.

Naquele álbum, ele explorava canções baseadas no rock/pop derivado do fusion e progressivo, muito popular nas FM’s em anos idos.

De modo elegante, Ed Motta, periodicamente, dá tapas de boa música nos defensores da exclusividade e restrição do “bom gosto” aos encurralados no terreno indie.

Em “Perpetual Gateways”, novo álbum, as melodias continuam esmeradas dentro de uma inteligente e ousada variedade musical, em arranjos classudos e linhas limpas de piano, promovendo uma evolução sonora contínua e sem truncamentos de estilos.

Desta forma, percorremos as canções sem sustos, partindo do jazz/funk melódico e confortante de Captain’s Refusal”, até as tonalidades dissonantes que permeiam o exercício jazzístico brilhante de “Overblow Overweight”.

Neste passeio musical, Ed Motta encaixou doses do mais puro jazz dentro da abordagem empregada no álbum anterior, em solos e andamentos livres, através de solfejos bem encaixados e altas doses de improviso.

Aos iniciados no mundo do jazz, nomes como Art Tatum, Dave Brubeck e Charles Mingus serão de imediata referência ao longo de algumas composições.

Mas não espere academicismos musicais, ou andamentos sisudos, pois Ed é natural da pura sensibilidade musical do soul e corre livremente por gigantesca criatividade harmônica.

Dentre os destaques isolados: “Hypocondriac’s Fun” (um jazz/pop envolvente, com guitarras cíclicas, naipe de metais incisivos mas não agressivos e desfecho visceral), “Reader’s Choice” (com forte clima noir), “Forgotten Nickname” (balada jazzística belíssima), “A Town In Flames” (jazz flamejante com melodiosas linhas vocais e chuviscos refrescantes de órgão Hammond), “The Owner” (Dave Brubeck imerso em melodias lascivas e abrasivas) e “I Remember Julie” (um jazz borbulhante, com linhas vocais sinuosas que duelam com o instrumental).

Ou seja, todo o álbum!

Não perca tempo e confira este que certamente será um dos quinze melhores álbuns do anos de 2016!

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *