CHET BAKER: 5 Discos Pra Conhecer

 

Assinar blog por e-mail

Digite seu endereço de e-mail para assinar este blog e receber notificações de novas publicações por e-mail.

Trompetista e cantor, Chet Baker foi um dos músicos de jazz que mais lançou material durante sua carreira. Já em sua juventude era apontado como um dos únicos com potencial para tomar o trono de Miles Davis e, além de toda a habilidade musical que era própria de Baker, ainda era dono de uma beleza que rivalizava com James Dean pelo título de sex simbol dos anos 50.

O seu trompete desfilando suavemente suas notas musicais e a voz pequena e afinadíssima abriu as cortinas da música americana para o West Coast Jazz, ou o famoso Cool Jazz. Era um músico nato, capaz de tocar uma canção inteira sem partitura, apenas pedia o tom inicial da música e improvisava, e podia tocar uma nova canção de ouvido apenas escutando-a uma única vez.

Desde o quarteto com Gerry Mulligan, passando pela banda com Russ Freeman, as fantásticas sessões em Nova York, os discos vocais e os fantásticos discos com arranjos de cordas, existe uma extensa discografia onde é impossível catalogar e até mesmo ouvir tudo. Chet Baker gravou tanto que provavelmente nunca irão descobrir sua obra completa.

Mesmo assim, aqui vai uma pequena seleção comentada da pequena fatia da obra deste grande músico. Além disso, segue uma seleção de faixas dos álbuns citados para você deliciar com o jazz poético de Chet Baker!

 

1. Chet Baker and Strings… With Zoot Sims, Russ Freeman, Bud Shank.

Grande álbum, onde Chet vem acompanhado de um quarteto de cordas  conduzido por Shorty Rogers e tem a participação de Zoot Sim, Bud Shank e seu eterno parceiro ao piano, Russ Freeman. Destaques deste disco: You Don’t Know What Love Is, Love Walked In, I Love You e I Married With An Angel. É fantástico como o casamento do quarteto de cordas com a forma suave de tocar de Chet Baker é tão harmônico.

 

2. The Best Of Gerry Mulligan Quartet With Chet Baker.

Aqui temos uma coletânea do início da carreira de Chet Baker. É interessante notar como o sax de Mulligan e o trompete de Baker tinham uma sinergia indescritível. Parece que nasceram para tocarem juntos, um complementando o outro. Chet Baker aqui ainda não esbanja a experiência de um mito do jazz e toca como um aspirante talentoso que quer o seu lugar ao sol. Destaques deste disco: Bernie’s Tune, Walkin Shoes, Jeru e My Funny Valentine. Um disco importantíssimo historicamente, pois este quarteto definiu todo um estilo.

 

3. Chet Baker Sings.

O melhor álbum da lista. Não há como negar que a maneira de Chet Baker cantar é única e inigualável. Com este álbum ele elevou seu nome na cena jazz e tendo Russ Freeman ao seu lado fizeram história com uma turnê de sucesso. Aqui nasce o estilo Chet Baker de se fazer jazz. Seria injustiça destacar alguma faixa, pois todas são magistrais, mas That Old Feeling, I’ve Never Been In Love Before e The Thrill Is Gone foram inspiradíssimas. Nunca ouviu? Não perca mais tempo e se entregue a um dos maiores clássicos do Jazz.

 

4. Quartet: Russ Freeman And Chet Baker.

A carreira de Chet Baker não seria a mesma sem a sua parceria com Russ Freeman. O pianista se tornou o pilar do sucesso de Chet Baker. Este álbum é uma coletânea das grandes interpretações geradas por essa parceria. Existe poucas baladas aqui e muitas das grandes músicas aqui presentes foram compostas por Russ Freeman, mas é a interpretação que nos mostra o que dois gênios podia fazer juntos.

 

5. Chet Baker In New York.

Aqui temos um Chet Baker amadurecido, após uma turbulenta, porém bem sucedida turnê européia. O novo desafio era dominar o território de Miles Davis, a costa leste americana, mais precisamente, Nova York. E este álbum representa bem esta nova fase. Um tracklist formado por canções comuns nas apresentações de Miles Davis, tendo inclusive, o baixista e baterista que gravaram o grande álbum Kind Of Blue de Miles.  Destaques: Fair Weather, Blue Thoughts, Hotel e Soft Winds.

 

PLAYLIST: Pra Conhecer Chet Baker

Abaixo temos uma compilação dos cinco álbuns citados e uma de suas grandes canções que não figura dentre eles, a minha preferida, “Let’s Get Lost”.

Comentários

Deixe uma resposta