VOCÊ DEVIA OUVIR ISTO: Roger Taylor, “Fun In Space”

Assinar blog por e-mail

Digite seu endereço de e-mail para assinar este blog e receber notificações de novas publicações por e-mail.

Confira a proposta desta seção aqui

Dia Indicado Pra Ouvir: Quarta-Feira;

Hora do dia indicada para ouvir: Quatro da Tarde;

Definição em um poucas palavras: Classudo, Espacial, One-man-band;

Estilo do Artista: Pop Rock, Rock progressivo, Space rock.

Roger Taylor Fun In Space
Roger Taylor: “Fun In Space” (1981, EMI)

Comentário Geral: “Fun In Space” não é somente o passo inicial da carreira solo do baterista do Queen, mas também o primeiro trabalho solo de um de seus membros, lançado em 1981, após os históricos shows da banda no Brasil, e gravado nos intervalos das turnês de “The Game” “Flash Gordon”, ambos lançados em 1980.

Roger Taylor produziu, escreveu, cantou e tocou todos os instrumentos em todas as composições, mostrando toda a excelência de suas habilidades musicais, construindo experimentações com sintetizadores e baterias eletrônicas mescladas à organicidade do Rock, com polidez e aspirações modernas que seriam determinantes para o sucesso do Queen com o álbum “The Works” (1984) após o fracasso do experimental funk-discoteque em “Hot Space” (1982).

E o pop rock embasado no soul/blues, com cacoetes de classic rock, vem espacialmente trajado já na abertura com a faixa “No Violins”, com linhas de guitarra bluesy e linhas vocais de geometria similares às de David Bowie, que trabalharia com o Queen no sucesso “Under Pressure” presente naquele controverso “Hot Space” (1982).

No geral, as composições de Roger Taylor trazem muito da veia roqueira mais melódica  do Queen, como se tirássemos a erudição e a fúria presente na música do quarteto, algo muito bem explicitado na balada “Laugh or Cry” por arranjos belíssimos de guitarra e vocais com a emoção monocromática que remetem a Roger Waters, além dos teclados e efeitos bem encaixados.

Confira uma apresentação de “Future Management” na TV britânica… 

Nesta faixa temos um primeiro flerte progressivo que se alongará para um diálogo com o Rock/Pop daqueles dias (de nomes como The Police, Duran Duran ou Talking Heads) em “Future Management”, sendo uma faixa cadenciada e envolvente, bem climatizada pela ambientação espacial que permeia todo o trabalho, seja nas harmônias, ou nas timbragens dos instrumentos.

Fato também evidenciado no rockabilly espacial “Let’s Get Crazy”, e no típico progressivo inglês oitentista de “My Country I & II” (com mudança de clima e andamento, além de percussão tribal e fim abrupto) composições que fecham o primeiro lado do vinil.

Abrindo o segundo lado temos “Good Times Are Now” com trejeitos mais próximos ao que o Queen praticava, principalmente em suas belíssimas linhas vocais que contrapõem o trabalho mais imperativo e emocional de “Maic Is Loose”, faixa seguinte envolta nos trejeitos progressivos, espaciais e dramáticos, sendo uma das melhores de “Fun In Space”, sem dúvidas.

E pra não ficar dúvidas da natureza experimental da obra, “Interlude” traz colagnes interessantes, num orgasmo progressivo que serve de introdução à roqueira “Airheads” que tem seu Rock febril amainado pela balada “Fun In Space” que traz belas linhas de guitarra em seu desfecho.

Roger ainda nos oferecia mais quatro álbuns solo, sendo o último lançado em 2013, mas nenhum traz o frescor, ousadia e experimentalismo de “Fun in Space”, um claro exorcismo da fase conturbada que o Queen atravessava internamente numa disputa  pela liderança “ideológica” das composições.

Definitivamente, VOCÊ DEVIA OUVIR ISTO!

Ano: 1981;

Top 3: “Let’s Get Crazy”, “Maic Is Loose”, e “Laugh or Cry”.

Formação: Roger Taylor (todos os instrumentos), David Richards (sintetizadores).

Disco Pai: David Bowie “Space Oddity” (1969)

Disco Irmão: Queen“Flash” (1980)

Disco Filho: Queen – “The Works” (1984)

Curiosidades: O alienígena na arte de capa veio de da revista “Creepy #779” de julho de 1980, a mesma que Roger Taylor lê na foto da contra capa do vinil. Os caracteres da capa idealizada pela Hipgnosis (responsável pelas capas do Pink Floyd) são hebreus e não possuem significado na arte.

Pra quem gosta de: Ficção científica, quadrinhos de terror, anos 80, bebidas coloridas e quebrar regras!

Roger Taylor Fun In Space

Comentários

Deixe uma resposta