ATUALIZANDO A DISCOTECA: Zumbis do Espaço, Em Uma Missão de Satanás

Assinar blog por e-mail

Digite seu endereço de e-mail para assinar este blog e receber notificações de novas publicações por e-mail.

Zumbis do Espaço - Em Uma Missão de Satanás
Zumbis do Espaço: “Em Uma Missão de Satanás” (2016, Hearts Bleed Blue Records)

A banda Zumbis do Espaço apresenta seu novo álbum, com capa assinada pelo rei da arte Thrash Metal, Ed Repka, anunciando que a forma de seu Horror Rock está intacta e oxigenada pelas vicissitudes de uma longa, e claramente evolutiva, carreira. Lançado na sugestiva data de 06/06/16, “Em uma Missão de Satanás” representa um indiscutível ponto de equilíbrio dentro das abordagens musicais que a banda explorou ao longo de sua história musical.

Comumente associada à banda Misfits, a banda Zumbis do Espaço é pioneira do estilo Horror Rock no Brasil, mas, mesmo tendo sua gênese seguindo os passos dos norte-americanos, nos dias de hoje, a comparação seria elementar e sem profundidade, pois os zumbis roqueiros tupiniquins sempre foram além das fronteiras do estilo, costurando influências diversas que forjaram uma identidade forte, introduzindo elementos de metal, rockabilly, blues e country, no punk rock direto e de vocais melodiosos que entoam histórias baseadas em filmes de terror e ficção científica classe B.  Mas não se engane! O sarcasmo que embasa o entretenimento contracultural da banda continua imaculado.

efddbc4a-c66d-4d71-926a-ac8845f9ce8e

Sabe qual a grande sacada deste álbum? A união de simplicidades variadas que levam a um homogêneo e atrativo conjunto. Os refrões são irresistíveis e os arranjos envolventes em faixas como “O Mal Imortal” (mais melódica e contagiante), “Cuidado com os Bastardos” (punk rock com guitarras mezzo melódicas, mezzo furiosa e bateria cavalar), “Megalomania” (uma quimera de Ramones e Misfits em trajes modernos e boquirrotos), “Bunga Bunga” (com um aroma de rockabilly) e “Não Gosto de Você” (um desabafo direto e sem firulas), que soam poderosas, energizantes e empolgantes, com importantes abordagens musicais diferenciadas que não deixam o álbum se tornar cansativo, mas de alto entretenimento e diversão, enquanto transmite uma mensagem eloquente por vias sagazes e sarcásticas.

Uma observação interessante seria para o contraste da sonoridade “alegre” e direta com a temática “sombria” e “obscura”, que mescla muito bem os dois melhores álbuns da banda (para este que vos escreve), à saber, “Aqui Começa o Inferno” (2004, e que trazia um forte aroma country e instrumentação variada) e “Destructus Maximus”  (2008, mais pesado e flertando com o metal). A maneira como fizeram esta mistura, tão homogênea aos nossos ouvidos, rende frutos como “L.S. Zumbi 666”  (um hino de taverna entoado de forma punk e que presta o devido tributo ao modo de vida rocker) e “Inspirado pelo Cão” (um punk grudento em forma de uma confessional canção de “amor”, com letra bem sacada), as duas melhores faixas do álbum.

Todavia, o grande tesouro deste novo trabalho da banda Zumbis do Espaço reside no clipe para a faixa “O Mal Imortal”, que conta com a participação do lendário Zé do Caixão, e que estará na trilha sonora do próximo filme do cineasta brasileiro, intitulado “O Coração das Trevas”.

As imagens utilizadas no clipe foram descobertas pelo diretor Marcelo Colaiacovo, durante uma extensa pesquisa no acervo de José Mujica, sendo que os negativos em 35 milímetros, datados de 1970 a 1993. Colaiacovo ainda teve a sagacidade de capturar as cenas da banda no mesmo formato que Mujica utilizara, gerando um resultado apocalíptico, explícito e polêmico.

Um álbum que vale a pena ser ouvido e adquirido, pois a satisfação é garantida!

NOTA: 8,0

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *