ATUALIZANDO A DISCOTECA: VersOver, “Hell’s Inc.” (2017)

Assinar blog por e-mail

Digite seu endereço de e-mail para assinar este blog e receber notificações de novas publicações por e-mail.

Por Will Bernardes

VERSOVER.DigiPak_300dpi
VersOver, “Hell’s Inc” (2017, Hell’s Inc Records, Die Hard Records) NOTA:8,5

O que acontece quando a revolta acerca dos problemas sociais do nosso país e a gana em proferir um grito de BASTA por meio da música se unem? Sim, música honesta, profunda e inspirada.

O novo álbum do VersOver parte desta premissa e consegue abranger temas cotidianos em forma de “infernos” e por meio de uma gama de vertentes atribuídas ao Heavy Metal entrega um trabalho eloquente e dinâmico dentro de sua proposta, mostrando criatividade e personalidade.

O grande trunfo de “Hell’s Inc” é a maneira como cada faixa se difere nos andamentos, com variações rítmicas imprevisíveis que desconsertam a maneira como absorvemos cada faixa do disco.

Por ora, a forma como é construída cada sequência de peso combinadas com a acidez dos versos embebidos na revolta são enriquecidas com pegadas técnicas e elementos progressivos muito influente no conceito do disco.

Essa dissociação de um único rótulo, ou como preferirem, gênero, é uma faca de dois gumes. Poucas bandas conseguem tirar originalidade desse processo de criação, sendo taxadas como: sem rumo ou sem personalidade.

Mas este conceito não se aplica ao VersOver que alcança e emula suas influências com congruência, transitando por vários estilos de forma homogênea e eficaz.

Pode se dizer que a espinha dorsal na estrutura do disco é o Heavy Metal em sua essência vigorosa com lampejos de Thrash/Speed Metal como nas faixas “Social Wars”, “Human Condition” e “Bob and Jack” que traduzem bem essa ideia.

Assista o clipe de “Enemy”… 

Um ponto interessante a se observar são os vocais de Rodrigo Carmo que lembram os de John Bush (Armored Saint, Anthrax). Notem como o timbre de ambos se assemelham.

Completam o line up o guitarrista Gustavo Carmo, o baixista Leandro Moreira e o baterista Mauricio Magaldi. A produção ficou a cargo de Gustavo Carmo, mixagem Jesse Vainio e masterização coube a Svante Forsbäck. A arte foi desenvolvida pelo renomado Hugh Syme, conhecido pelas grandes ilustrações de vários discos do Rush.

Uma sacada interessante e tendo como resultado uma das melhores faixas do disco é a inserção de versos em português em “Enemy”, que cospe um verdadeiro desabafo sem papas na língua diretamente aos nossos inimigos no poder. Palavras que estão entaladas em nossas gargantas, diga se de passagem.

No geral, o que podemos conferir em “Hell’s Inc” é um trabalho coerente de uma banda de 20 anos de estrada, mostrando se tecnicamente madura e em boa sintonia nos arranjos certeiros e bem direcionados.

Músicas de peso, letras ásperas e produção competente garantem um disco inteligível nos parâmetros metálicos e atinge seu objetivo com precisão.

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *