ATUALIZANDO A DISCOTECA: Trigger, “Trigger” (EP, 2017)

Assinar blog por e-mail

Digite seu endereço de e-mail para assinar este blog e receber notificações de novas publicações por e-mail.

Por Will Bernardes

FRONT
Trigger: “Trigger” (EP, 2017, Indepedente) NOTA:9,0

Resgatando toda ambientação e caracterização do glamoroso Hard Rock dos anos 80, o trio de Salvador formado por Gabriel Heiligen (guitarra e vocal), Ákillas Gomess (bateria e vocal), e Ícaro Bastos (baixo e teclados) nos presenteiam com quatro faixas brilhantes em seu EP de estreia, embelezadas pelo mais puro feeling e extravagância, que faz seu grandioso Glam Metal chegar a níveis de qualidade podendo até mesmo compará-los a grandes nomes do gênero.

Oriundos de uma região onde a cena não apresenta força considerável, eles transparecem em suas composições, e até mesmo nas performances ao vivo, toda a paixão e influência em bandas como Van Halen, Motley Crüe, Poison, Ratt, Kiss, Danger Danger, entre outros, energizada com exímia versatilidade musical estilizada singularmente no Hard pomposo de outrora.

PHOTO RELEASE.jpg

Resgatando toda ambientação e caracterização do glamoroso Hard Rock dos anos 80, a banda Trigger transparece toda a paixão e influência em bandas como Van Halen, Motley Crüe, Poison, Ratt, Kiss, Danger Danger, entre outros, energizada com exímia versatilidade musical estilizada singularmente no Hard pomposo de outrora.

Vale destacar o virtuosismo instrumental e vocal alcançado pelo grupo, buscando variações nos andamentos com quebradas nos ritmos, enaltecendo a energia e o clima “happy” abordado perfeitamente em suas músicas.

“Born Again” é enérgica e explosiva, com ótimos riffs e boas entonações vocais (reparem no agudo no começo), abrindo o disco com grande estilo, já injetando boas doses de adrenalina.

Seguindo mais cadenciada e marcada pela sólida bateria de Ákillas, “Satisfaction” encanta pelos backing vocals e vigorosos solos de guitarra muito bem executados por Gabriel. Mencionando também o refrão que gruda na cabeça logo de cara.

“Rhythm of Love” é aquela típica música marcante estradeira, embebida de jovialidade e vivacidade, proporcionando aquele velho sentimento saudosista com pegadas oitentistas muito bem elaboradas.

Confira a faixa “Satisfaction”… 

“Don’t Stay Away” é elegantemente bem arranjada pelos teclados de Ícaro, direcionando seu Hard Rock mais ao AOR.

Como grande fã do gênero, ao ouvir o trabalho dos baianos me senti incrivelmente surpreendido pela desenvoltura acerca do material, mostrando o grande potencial de que são capazes, trazendo uma pequena amostra de sua musicalidade.

Em tempos de grandes hibridizações musicais, quando ouvimos materiais mergulhados na pura essência do rock/metal, levantamos questões sobre isso ser ou não relevante a ponto de formar opiniões. Contudo, discos como esse nos trazem de maneira simples a exuberância envolta do Hard Rock.

Uma grande estreia e torçamos para que trabalhos posteriores possam nos presentear com grandes joias cheias de glamour como essas apresentadas no EP.

Confira o EP na íntegra via Spotify…

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *