ATUALIZANDO A DISCOTECA: Rival Bones, “Rival Bones” (EP, 2017)

Assinar blog por e-mail

Digite seu endereço de e-mail para assinar este blog e receber notificações de novas publicações por e-mail.

1504041528_130189150176010
Rival Bones: “Rival Bones” (EP, 2017, Hellion Records) NOTA:8,5

Liverpool é uma cidade de tradição dentro do Rock. Nunca é demais lembrar que além dos Beatles, também surgiram naquelas paragens inglesas bandas de naturezas variadas como Liverpool Express, Echo & The Bunnymen, e The Searches. Agora, a cidade nos oferece mais um nome com potencial para entrar nesta lista: o Rival Bones; um duo guitarra-bateria, formado em 2014 pelos músicos James Whitehouse (guitarras e vocais) e Chris Thomason (bateria).

Neste formato é comum inferirmos que seguirão a linha de bandas como Royal Blood, Black Keys e Double Fuzz. De fato, é isso que veremos nestas quatro faixas desfiladas nos menos de vinte minutos deste primeiro EP auto-intitulado, lançado no Brasil via Hellion Records, mas também remetem a algo de Audioslave, Foo Fighters (a voz de James me lembra a de Ghrol no momentos mais furiosos) e Queens of the Stone Age na sonoridade, além de resgatarem aquela vibração selvagem e crua do Rock setentista.

Confira uma performance para a faixa “Hives”… 

“Want You Madly” abre o EP com riff carnudo, boas e vigorosas melodias vocais, e dinâmica poderosa. Nesta faixa já podemos perceber o entrosamento entre os dois músicos, que se guiam mais pelo feeling do que pela técnica (o que não quer dizer ela esteja em falta por aqui), sobrepondo texturas e intensidades, gerando energia através da fricção de momentos furiosos e distorcidos com passagens mais cadenciadas e limpas, como vemos em “Marceline”, e mais tempestuosamente na stoner e iracunda “Hives” (essa, talvez, a melhor das quatro faixas) que desaguará na dinâmica cheia de ganchos cativantes de “Running”.

Gravado, produzido e mixado por Tony Draper, no Parr Street Studios e masterizado pelo produtor Mike Marsh no Exchange Mastering, o registro do trabalho é preciso, orgânico e moderno, potencializando a força do som gerado pela dupla, sem deixar buracos. Além disso conseguem dar a vasão exata de fúria e peso, sem privar-nos das melodias e de certo brilhantismo.

O Rival Bones promove uma versão pujante e retorcida do Rock moderno, criada à partir da essência rústica do Rock setentista que dança violentamente entre a poeira chapada do stoner e a dinâmica libertina alternativa. Sem dúvidas, uma banda para se acompanhar de perto!

Confira o EP na íntegra, via Bandcamp… 

Comentários

Deixe uma resposta