Quem era o ábade Johann Trithemius?

Assinar blog por e-mail

Digite seu endereço de e-mail para assinar este blog e receber notificações de novas publicações por e-mail.

Comum tanto a quem estuda ocultismo quanto a quem tenta desvelar as sociedades secretas do mundo, referências a Abbot Johann Trithemius, ou Jean Trithème aparecem desde os estudos dos magos John Dee e Aleister Crowley, a sociedades iniciáticas como a Golden Dawn, até chegar a projetos misteriosos modernos como o MK Ultra, afinal ele foi um dos pioneiros a sistematizar pesquisas acerca do controle da mente de modo remoto.

Eliphas Levi, um dos nomes mais influentes das ciências ocultas, credencia o abade Trithème como “o maior mago dogmático, da Idade Média”, e completa dizendo que “em magia foi o mestre dos mestres e também o mais sábio dos Adeptos.”

Ainda como Jean de Heidemberg, que aos 12 anos teve uma visão reveladora de que seus desejos íntimos seriam realizados, entrou para a Universidade em 1480 e, neste período, formou, junto a dois outros colegas, uma sociedade secreta concentrada no estudo da astrologia, magia numérica, línguas e matemática, denominada Confraria Celta.

Como se valiam de pseudônimos, Jean de Heidenberg se tornou Jean Trithème. Desenvolveram ainda o estudo da Cabala, através de um membro recém admitido que era judeu.

No dia que completou 20 anos, Jean entra para o Mosteiro de Saint-Martin-de-Spanheim, tornando-se o abade Trithème, que se dedicava a uma pesquisa que soava estranha aos ouvidos que se dispunham às suas confidências. Ele almejava a criação de um processo para hipnotizar pessoas à distância, por telepatia, com o auxílio de algumas manipulações de linguagem. 

Obviamente, a nação que dispusesse de um poder como esse seria quase absoluta em espionagem. Mas seu trabalho foi muito relevante também para a criptografia, afinal, sua dedicação a manuscritos herméticos deu-lhe bagagem em áreas do ocultismo que lhe permitiram escrever seus textos em linguagem simbólica, decifrada apenas por iniciados nestes mesmos campos de estudo.

Para embasar seus estudos, compilou no monastério a mais incrível biblioteca formada por manuscritos, pois ele desdenhava os livros impressos. Em seus trabalhos mais detalhistas ele lança mão de matemática, linguística, Cabala e parapsicologia.

Resultado de imagem para Johann Trithemius

Todo o trabalho referente ao seu ambicioso objetivo fora compilado em um livro, dividido em oito volumes, denominado Steganographie, que foi destruído no decorrer da história, tendo se salvado apenas 3/8 da obra.

Postumamente apareceria na Alemanda do século XVII um livro intitulado “Stenografia”, que provavelmente não é a original.

Para avaliar o conteúdo do livro, cujo segredo teria sido revelado à Trithème em sonhos, deixo que o próprio abade descreva o teor de sua obra:

“Tenho em mãos e possuo uma grande obra, admirável, a qual, uma vez terminada, conhecida e publicada (o que espero venha a suceder), será considerada por todos, mais do que admirável e uma autêntica maravilha. Intitulei-a: “Stenografia”… e dividi-a em 4 livros, o mais pequeno deles terá mais de 100 capítulos.

“Posso garantir-vos que esta obra, onde falo de grande número de segredos e mistérios pouco conhecidos, a todos parecerá, mesmo aos ignorantes, conter coisas sobre-humanas, espantosas e incríveis, uma vez que ninguém escreveu ou falou sobre elas antes de mim.

“O primeiro livro mostra mais de 100 maneiras de escrever secretamente e sem provocar qualquer suspeita aquilo que se desejar, em qualquer língua, sem que se consiga adivinhar o conteúdo, e isto sem o recurso a metáteses ou a transposições de letras e também sem qualquer receio ou dúvida de que o segredo possa ser conhecido por alguém estranho aquele a quem cabalisticamente eu tenha ensinado esta ciência ou a alguém a quem o meu binário o tenha, também cabalisticamente, transmitido; uma vez que todas as palavras e termos empregados são simples e familiares, mesmo assim, ninguém, por mais experimentado que seja, poderá descobrir por si só o sagrado, o que a todos parecerá uma coisa admirável e que os ignorantes considerarão uma impossibilidade.

“No segundo livro tratarei de coisas ainda mais maravilhosas relacionadas com certos meios, graças aos quais consigo, de uma forma segura, impor a minha vontade a quem captar o sentido da minha ciência, e isto sem que me possam acusar de ter usado quais quer sinais, figuras ou caracteres, e se me servir de um mensageiro escolhido ao acaso, não há súplica ou ameaça, promessa ou violência, que possa obrigá-lo a revelar o meu segredo, pois ele o desconhecê-le-á, eis porque ninguém por mais hábil que seja, conseguirá descobrir esse segredo. E realizo facilmente todas essas coisas, quando me aprouver, sem a ajuda de ninguém, nem de mensageiros, mesmo com um prisioneiro encarcerado num lugar remoto, vigiado por guardas atentos. Sou capaz de provar o que afirmo, não me sirvo de espíritos nem de magia, apenas de um processo simples e natural.

“O terceiro livro permite a todos os homens ignorantes que apenas conhecem a sua língua materna, entender em duas horas a língua latina e escrever de forma elegante, de tal maneira que os que o lerem compreenderão o seu discurso e só poderão dirigir-lhe louvores.

“No quarto livro posso provar que a minha ciência é compreensível a todos os que eu ensinar e servir-me dela em qualquer momento do dia, por muito longe de mim que esteja o meu cabalístico (aquele que no seu segredo, recebe a mensagem).

“Falo ainda de um grande número de segredos que não posso revelar agora. Ora eu não duvido que muitas pessoas que leram mas não compreenderam o que escrevi, consideram estas coisas admiráveis mas impossíveis, tal como sucedeu com certos sábios diante dos quais fiz algumas experiências fáceis e que não se deixaram convencer por elas.

“Para resumir, afirmo em consciência e perante Deus, que tudo sabe e vê, que as coisas admiráveis que menciono e descrevo são incomparavelmente mais importantes e profundas do que posso dizer e do que vós sois capazes de compreender.

“Todas estas coisas são naturais, isentas de artimanhas, de idéias supersticiosas, de artes mágicas, isto é, de invocação de espíritos, afirmo-o nesta carta a fim de que se a mostrares ou a deres a ler aos vossos amigos, nenhum deles pense que eu sou mago, como sucedeu com Alberto o Grande, que, apesar de grande filósofo e profundo investigador dos segredos da Natureza, foi no entanto considerado mago porque os seus conhecimentos, adquiridos graças a um trabalho assíduo, a grandes estudos e aplicação, ultrapassavam a inteligência dos seus contemporâneos”. (FONTE: Ocultura.org)

A história nos conta que o manuscrito original fora queimado, mas outras cópias de fidelidade duvidosa ao texto original estiveram à disposição dos colecionadores e ocultistas após a morte de seu escritor. A edição em três volumes de 1606 foi incluída na lista de livros proibidos da Igreja.

Relatos nos contam que o grande cientista e ocultista inglês John Dee (responsável pelo advento dos meridianos), por volta de 1563, teria completado o que faltava desta obra e a dominado completamente. Contamos essa história em detalhes neste texto sobre o mago inglês John Dee

Seria esta a obra que apareceria na Alemanha em 1608?

Mas aí entra outro tomo importante copilado dos textos de Trithème foi a Polygraphiaque consistia de escritos cifrados em um alfabeto obscuro e que chegou às mãos dos fundadores da Ordem Hermética da Golden Dawn sob o título de “Cypher MS”, e que serviu de inspiração para a origem mentirosa da sociedade iniciática.

Por este caminho é fato que Aleister Crowley também teve acesso à obra do abade Trithemé, e para saber mais sobre a Golden Dawn, leia esse texto que escrevemos inteiramente dedicado à ela. Ou se quiser entender mais da história de Aleister Crowley, veja esse texto.

Este texto, a Polygraphia, tem origem como uma carta particular que se tornou pública por seu apelo fantástico. Em 1498 ele respondeu ao frade da Ordem do Carmo sobre suas pesquisas, e a epístola foi lida por inúmeros outros monges que a classificaram das mais diversas maneiras, inclusive como “obra do diabo”.

A partir de então, impulsionada pela denúncia de Charles de Bouelles sobre sua  Steganographie, Trithemé teria que se defender constantemente da conjuração e comunicação com maus espíritos. Sua fama de mago foi um fardo que tentou expelir de si nos últimos anos de sua vida, tendo declarado que

“Nada fiz de muito extraordinário e, no entanto, espalhou-se o boato de que eu sou mágico. Li a maior parte dos livros dos magos, não para os imitar, mas com o objetivo de, um dia, refutar as suas superstições maldosas”

Nascido em 02 de fevereiro de 1462, na aldeia de Tritthenheim, na Alemanha, ele viria a falecer em 27 de dezembro de 1516, em Wurzburg, Alemanha, onde passou seus últimos dez anos de vida. Ficou também conhecido por não gostar do papel, aleando ser perecível demais, alem se opor a astrólogos e alquimistas de sua época. Também foi mestre de Agrippa e Paracelso.

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *