ATUALIZANDO A DISCOTECA: Noumena, “Myrrys” (2017)

Assinar blog por e-mail

Digite seu endereço de e-mail para assinar este blog e receber notificações de novas publicações por e-mail.

Por Will Bernardes

Noumena Myrrys
Noumena – “Myrrys” (2017, Haunted Zoo Productions, Inverse Records) NOTA:7,5

A banda finlandesa aprimora seus conceitos folclóricos típicos de seu país e propõe em seu 5º álbum de estúdio uma musicalidade recheada de arranjos bem orquestrados em uma tênue linha com o popular Death Metal Melódico escandinavo, numa eloquente combinação de classe, melancolia, elementos sombrios e andamentos extremos.

No intuito de soar consideravelmente naturais em transparecer todo o lirismo soturno de sua cultura, abrem mão das letras em inglês e investem em composições em sua língua natal, o que, de certa forma, engrandece a ambientação de todo o álbum, frisando a notoriedade nos vocais guturais.

A banda finlandesa aprimora seus conceitos folclóricos típicos de seu país e propõe uma musicalidade recheada de arranjos bem orquestrados em uma eloquente combinação de classe, melancolia, elementos sombrios e andamentos extremos…

Todavia, a sonoridade pouco se difere dos álbuns anteriores, com guitarras carregadas de riffs robustos e solos contundentes mescladas a interlúdios acústicos, por ora beirando o Heavy tradicional. Os vocais cavernosos de Antti Haapanen ditam a agressividade enquanto Suvi Uura intercala com suavidade em dueto com vocais limpos e melodiosos, enaltecendo o equilíbrio.

Dentro do que a banda propõe, e, já demostrou em seus registros anteriores, eles abrangem pouco as composições, seguindo a formula do gênero predominante da região, embora façam com precisão e competência.

Confira o clipe da faixa “Kirouksen kantaja”… 

Em meio ao tracklist redundante e homogêneo de “Myrrys”, é difícil destacar uma faixa ou outra, não que todas pareçam entre si, mas, ouvindo a obra por completo é inevitável a impressão de que a essência se mantém e por ora chega até soar um pouco repetitivo, contudo ouvindo mais atentamente é possível diferencia-las, sendo “Metsaen viha” um bom cartão de visita, com pegada de heavy clássico, beirando ao Speed, “Kirouksen kantaja” flertando com o Ghotic, cadenciada com guturais sólidos e “Sanansaattaja” uma bela heavy/acústica onde Suvi Uura encanta pela boa performance vocal branda e delicada alicerçada pelos “urros” de Antti Haapanen.

Confira a faixa “Metsän viha”… 

Produção e mixagem ficou a cargo de Dan Swanö, um dos mais influentes produtores do heavy metal europeu. A arte da capa foi idealizada e desenhada pelo jovem artista Finlandês Otto Lehtonen.

O Noumena mantém a musicalidade característica de sua carreira, entregando um álbum mediano mas que explora, dentro do seu estilo, uma temática reflexiva embebida em cultura arcaica, sustentada por instrumentais sólidos e bem construídos, sem grandes pretensões embora poética e bem arranjada.

Comentários

Deixe uma resposta