ATUALIZANDO A VIDEOTECA: Mensageiros do Vento, “Anunnaki – Mensageiros do Vento” (2016)

Assinar blog por e-mail

Digite seu endereço de e-mail para assinar este blog e receber notificações de novas publicações por e-mail.

anunnakis-mensageiros-do-vento dvd-min
Mensageiros do Vento – “Anunnaki: Mensageiros do Vento” (2016, Independente) NOTA:9,0

De tempos em tempos temos projetos audaciosos dentro da música nacional, que sobressaem pela qualidade e pela excelência criativa. “Anunnaki – Mensageiros do Vento”, é um dos mais recentes e bem vindos dentre estes casos.

Os Anunnakis são um grupo de divindades sumérias e babilônicas que deram um forte impulso à teria dos deuses astronautas, de Erich Von Daniken, e principalmente de Zecharia Sitchin, onde apresentavam uma perspectiva para a gênese humana.

Em sua obra que merece ser lida,  Zecharia Sitchin afirma que os elohim bíblicos eram os Anunnakis que vieram à Terra do planeta Nibiru, e que o DNA dos hominídeos aqui presentes foi modificado com o acréscimo dos genes dos Anunakis.

Partindo deste conceito, nasce a rock opera “Anunnaki – Mensageiros do Vento” concebida como um desenho animado.

Só pelo fato de amarrar diferentes formas de arte, este material já coleciona muitos pontos positivos, mas a criatividade e a riqueza do produto final guarda surpresas mais do que interessantes àqueles que mergulharem no trabalho.

O projeto que frutificou em “Anunnaki – Mensageiros do Vento” foi patrocinado pela Secretária de Cultura da Bahia, e ao longo das vinte e oito faixas, também disponíveis num CD duplo, temos uma história bem amarrada à mitologia dos Anunnakis.

Musicalmente trazem todo o senso épico e dramático que o formato pede.

Temos uma ópera-rock com traços progressivos (mais proeminentes em “Babel”), mesclando texturas e intensidades numa instrumentação que se desdobra entre o metal tradicional e o hard rock, baseada nos contrastes para construir emoções presentes na narrativa épica.

Tudo muito bem trabalhado em estúdio, forma orgânica e vibrante.

Destaque ao trabalho das guitarras no instrumental, que percorre um espectro vasto de timbragens e pesos para descrever emoções e intensificar sentimentos.

Como bem pede o tema, elas desenham arabescos  e orientalismos bem diluídos nas melódias épicas e dramáticas construídas por riffs empolgantes e solos precisos (como em “Mensageiro do Criador”, “Humana Experiência”, “Crônicas de Nibiru”, por exemplo).

Um exemplo claro de como as guitarras são peça-chave no resultado final pode ser observado em faixas como “Eridu” “Paraíso Perdido” onde o contraste de instrumentos acústicos e eletrificados espelham a dualidade entre sentimentos ternos e tormentas.

Capitaneando o ousado – e pioneiro no Brasil – projeto, temos Fabrício Barretto  (voz e guitarra – responsável por todas as artes da animação) e Fábio Shiva (baixo), dois ex-membros do Imago Mortis que ajudaram a dar luz ao clássico “Vida: The Play of Change” (2002), um dos maiores discos da história do metal nacional.

Completando a formação da banda Mensageiros do Vento temos Julio Caldas (guitarra) e Thiago Andrade (bateria).

Muitas participações especiais de artistas convidados abrilhantam ainda mais a trilha sonora: Luciano Campos, Carlos Lopes, Tassio Bacelar, Kiko Souza, José Rios, Kekedy Lucie e Eneida Lima.

A produção artística de “Anunnaki – Mensageiros do Vento” fica à cargo de Richard Meyer, enquanto a produção executiva é de Analu Franca.

Destacar momentos num trabalho tão uniforme e interligado como  “Anunnaki – Mensageiros do Vento” é complicado, pois ele deveria ser absorvido como um todo.

Todavia, “A Criação de Adamu” “Inanna e Dumuzi” podem ser enaltecidas pela forma como a voz feminina é utilizada dentro do contexto musical e narrativo, assim como “Viagem à Lua” traz um detalhe de saxofone instigante.

A animação presente no DVD pode até ser encarada como simples se você não está acostumado a graphic novels ou animações alternativas, mas a dinâmica um tanto rígida, junto as inspirações na arte suméria, traçam uma personalidade forte à estética visual de “Anunnaki – Mensageiros do Vento”, até mais forte do que a musical.

Se eu pudesse oferecer um único porém ao trabalho, este seria destinado à dificuldade de acompanhar o “quem-é-quem” dos personagens  se você já não está habituado com a mitologia de Nibiru, o que pode tornar tudo um tanto confuso se você não tem o encarte do CD em mãos, que trazem as falas designadas aos personagens.

Ou seja, vale a pena ter tanto o CD duplo quanto o DVD para absorver toda a excelência de “Anunnaki – Mensageiros do Vento”. 

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *