VOCÊ DEVIA OUVIR ISTO: Led Zeppelin, Physical Graffiti

Assinar blog por e-mail

Digite seu endereço de e-mail para assinar este blog e receber notificações de novas publicações por e-mail.

Dia Indicado para ouvir: Quinta-Feira 

Hora do dia indicada para ouvir: Oito da Noite.

Definição em um poucas palavras: Adulto, Classudo ao quadrado, Grudento, Guitarra, Pesado, Pra Encher a Cara, Rock Inglês, Urbano.

Estilo do Artista: Rock Clásico. 

Led Zeppelin: "Physical Graffiti" (1975, Swan Song, Atlantic)
Led Zeppelin: “Physical Graffiti” (1975, Swan Song, Atlantic)

Comentário Geral: Em 1974 o Led Zeppelin era a maior banda de rock do mundo. Com cinco álbuns históricos lançados, em especial, o famoso “Led Zeppelin IV”, a banda experimentava sua melhor forma técnica, vindo de certas expansões e experimentações sonoras no último álbum, “Houses of the Holy” (1973).

Seguindo a tendência dos grandes nomes da época, o Led Zeppelin, em 1974, inaugurava seu próprio selo, o Swan Song (nome advindo de uma canção nunca gravada pela banda e que foi utilizada posteriormente por Jimmy Page no The Firm), cujo primeiro lançamento ficou a cargo do melhor álbum do Zepelim de Chumbo, o clássico “Physical Graffiti”.

Neste álbum temos um dos maiores clássicos do rock, “Kashmir”, que nasceu de um antigo riff composto por Page e se desenvolveu para uma canção antológica, adornada pelos irretocáveis arranjos de cordas de John Paul Jones e a sensualidade vocal de Robert Plant.

O tempero oriental bem acentuado da canção foi inspirado por uma viagem da dupla Page/Plant ao Marrocos.

Kashmir” resume de modo ímpar algumas facetas deste álbum que deflagra uma fase mais experimental da banda, homogeneizando um amálgama de jam sessions, um pouco de pop, groove, influências orientais, doses homeopáticas de folk e muito peso. 

O que poucas vezes é mencionado é o fato de “Physical Graffiti” ser basicamente um álbum de sobras de estúdio.

Por exemplo, Bron-Yr-Aur foi registrada em 1970, para o álbum Led Zeppelin III; “Night Flight”, “Boogie With Stu” (buscando as raízes da banda) e “Down By The Seaside” (uma clara referência musical a Neil Young) são composições excluídas do já citado Led Zeppelin IV; “The Rover” e “Black Country Woman” foram gravadas em 1972, assim como “Houses Of The Holy” que fora composta para figurar no álbum anterior e homônimo.

Apesar deste “reaproveitamento” de composições, o esmero outorgado para cada uma das composições aqui presentes salta aos ouvidos.

Led Zeppelin Physical Graffiti
Em 1975, o Led Zeppelin era a maior banda de Rock do mundo, e “Physical Graffiti” seria seu grande disco da carreira.

Na canção “Ten Years Ago”, Page harmoniza mais de dez guitarras e os arranjos apresentados por cada uma das canções mostra uma confiança que só músicos em alto nível possuem, tanto que o espaço para experimentações está aberto e sem muros.

As provas irrefutáveis deste fato estão na irretocável “In My Time of Dying” (que fora gravada enquanto era composta em uma jam, com destaque ao slide de Jimmy Page e ao entrosamento dos músicos), na disfarçadamente “funkeada” “Trampled Under Foot”, no groove e no arranjo sensacional de “Custard Pie” (com seus versos em duplo sentido) e na progressiva “In The Light”.

Sem dúvidas este primeiro álbum duplo do Led Zeppelin marcava o ponto de máximo da música da banda. Dali adiante, alguns demônios assombrariam a biografia de seus integrantes, em especial, Robert Plant, que gravaria o próximo álbum em uma cadeira de rodas e perderia seu filho para uma doença rara, fazendo que as qualidade musical começasse seu decrescimento.

Já nas gravações de Physical Graffiti estas forças pairavam sobre a banda, fazendo com que John Paul Jones caísse de cama e interrompesse as gravações do álbum.

Muitos alegam que tudo começou quando o quarteto começou a se interessar por ocultismo, principalmente o guitarrista Jimmy Page, um colecionador de artigos relacionados a Aleister Crowley.    

Mas são apenas conjecturas fantasiosas que não tiram o brilhantismo do melhor álbum de uma das maiores bandas da história do rock.

Poucas vezes a expressão “clássico do rock” foi tão bem encaixada quanto para este álbum.

Obrigatório! Nem precisa dizer que VOCÊ DEVIA OUVIR ISTO!

Ano: 1975.

Top 3:Houses Of The Holy”, “Kashmir” e “Trampled Under Foot”.

Formação:  Robert Plant (vocais), Jimmy Page (guitarra), John Paul Jones (baixo) e John Bonham (bateria).

Disco Pai: The BeatlesThe Beatles (White Album)  (1968)

Disco Irmão: The Who: Quadrophenia (1973)

Disco Filho: Smashing PumpkinsMellon Collie And The Infinite Sadmess (1995)  

Curiosidades:  Foi durante as gravações este álbum que Jimmy Page efetivou a compra da Boleskine House, residência do mago Aleister Crowley, um dos nomes do ocultismo que Page estudara e para quem dedicamos este texto especial. Além disso, o prédio eternizado na capa do álbum existe realmente e fica no St. Mark’s Place, em Nova York. 

Pra quem gosta de: Filosofia, comida indiana, incenso, reciclagem, clássicos do rock, curry e Irish Cofee

Comentários

Deixe uma resposta