H. G. WELLS: 3 Livros Pra Conhecer

Assinar blog por e-mail

Digite seu endereço de e-mail para assinar este blog e receber notificações de novas publicações por e-mail.

O escritor britânico H. G. Wells, um dos pilares máximos da ficção científica clássica ao lado de Julio Verne, cuja obra discutia assuntos como a ética na manipulação de animais, guerras nucleares e a criação de um estado mundial, passando pelo direito da mulher e a igualdade de gêneros, ou direitos humanos, ganhou fama por seus escritos sobre viagem no tempo, homens invisíveis e cientistas loucos.

Recentemente elaboramos uma lista (que você pode conferir nesse link) com os grandes livros que ajudaram a consolidar a ficção científica como gênero literário. 

Sempre um amante do lado teórico e imaginativo da ciência, H. G. Wells dedicou muito de seu tempo à literatura e à história, sendo que seu primeiro livro foi um manual de biologia.

Já na década de 1920 escreveu livros de história ambiciosos e marcantes, por tentar prever o que viria à seguir, embasado em sua visão política aguçada e que o credenciou como uma das grandes figuras públicas do século XX, tendo influenciado até mesmo a Declaração Universal dos Direitos Humanos da ONU.

 Hoje trazemos três momentos ficcionais do conjunto de sua obra para que você possa se iniciar neste riquíssimo e pioneiro mundo de H. G. Wells. 

1) “A Ilha do Doutor Moreau” (1896)

Imagem relacionadaEste, sem dúvidas, é o ápice da primeira fase de H. G. Wells, onde o protagonista se vê num problema de vida ou morte por meio de extraordinários artifícios científicos.

Mesma fórmula de outro clássico lançado naquele mesmo ano, “A Máquina do Tempo”, ou na segunda obra enumerada nesta lista.

Mas neste livro H. G. Wells trazia um tom ainda mais visceral e sombrio da sua subversão das crenças do século XIX, e do perigo que representa o progresso e a evolução nas mãos erradas. 

“A Ilha do Doutor Moreau” foi lançado apenas sete anos após a publicação do marco científico “A Origem das Espécies”, de Charles Darwin, traçando um debate atemporal sobre clonagem e manipulação genética, extrapolando a teoria darwinista de modo arrepiante, diferentemente da forma que já fora trabalhada em “A Máquina do Tempo”, e iniciando o arquétipo do cientista louco.

Em suma, esta obra é uma chocante e moderna alegoria sobre as transformações provocadas na sociedade por um líder com mente e valores deturpados.

2) “A Guerra dos Mundos” (1898)

H. G. Wells A Guerra dos MundosA invasão alienígena foi o tema escolhido para um de seus antológicos romances, sendo futuramente adaptado duas vezes para o cinema e influenciando até mesmo bandas de rock progressivo.

A trama é simplória e até certo ponto inocente, narrando uma invasão de marcianos malvados que assumem o controle do planeta sem maiores problemas, mostrando aos seres humanos sua fragilidade e que, na verdade, nós não temos o controle de nada, nem mesmo do que causa nossa vitória nesta batalha intergalática sob o título de Guerra Mundos.

A primeira edição desta obra foi publicada na Inglaterra em 1898, mas ficou famosa de maneira interdisciplinar quando, em 1938, transmitiram pela rádio CBS um trecho do livro que seria assustador para os americanos dos anos 50 (inocentes e impressionáveis), narrando, sem intervalos e patrocinadores, uma completa invasão alienígena, ainda rebuscando a infame piada com a música de Ramón Raquello e sua orquestra. Maiores detalhes deste evento podem ser conferidas no nosso texto especial, aqui.

3) “The Shape of Things to Come” (1933)

Resultado de imagem para The Shape of Things to Come h g wellsEssa é uma daquelas liberdades que tomamos em nossa lista, pois este não é propriamente um romance, mas é o maior dos exercícios de ficção científica da carreira de H. G. Wells, além reafirmar a crença do escritor de como o estabelecimento de um estado mundial solucionaria os problemas mais graves da humanidade.

Neste texto, quando um diplomata morre em 1930, deixa para trás um livro com profecias e detalhados eventos que ocorreriam com a Terra nos próximos dois séculos, colecionando similaridades ao clássico “Last and First Man”, de Olaf Stapledon.

Muito além do já citado exercício ficcional, na melhor escola Júlio Verne, H. G. Wells previu inovações tecnológicas como o helicóptero, televisão de alta definição, projeção holográfica, além de eventos como a II Guerra Mundial, mudanças climáticas e armas químicas.

 

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *