ATUALIZANDO A DISCOTECA: Funeratus, “Accept the Death” (2018)

Assinar blog por e-mail

Digite seu endereço de e-mail para assinar este blog e receber notificações de novas publicações por e-mail.

Funeratus, "Accept the Death" (2018)
Funeratus: “Accept the Death” (2018; Distro Rock Records, Extreme Sound, Voice Music Records) NOTA:9,0

underground tem mostrado ser a parte mais rica em termos de qualidade musical atualmente no Brasil. Com um rápido garimpo é possível descobrir nomes tão interessantes quanto diversificados, principalmente no nicho do metal extremo, tão tradicional no nosso underground.

E se tradicionalismo é a palavra-chave no metal extremo nacional, o power trio paulista Funeratus é um dos grandes dentro do nosso death metal.

Formado nos primeiros anos da década de 1990, o Funeratus construiu uma história sólida através de demos, coletâneas, splits, e álbuns muito acima da média dentro do death metal brasileiro, como o clássico “Storm of Vengeance” (2002).

A labuta pesada e os percalços do underground tentaram em vão minar as forças do Funeratus desde aquele trabalho marcante, tanto que o último álbum da banda foi lançado em 2004, intitulado “Echoes of Eternity”.

Foram quase quinze anos de luta (nesse ínterim tivemos um EP e um split) para manter a banda ativa, mas agora chega “Accept the Death”, com a missão de renovar o fôlego do Funeratus.

De cara podemos perceber que o DNA brutal não foi alterado em  “Accept the Death”, faixa-título que abre o álbum, mas olharam com inteligência e propriedade para a evolução do metal extremo nesta última década e meia, onde o tradicionalismo e a técnica estão impressos com nitidez e agressividade, num excelente trabalho de estúdio, sem soar clínico.

Aliás, cabe ressaltar o salto positivo de qualidade no quesito produção se compararmos “Accept the Death” com os dois álbuns anteriores do Funeratus. Menos abafada e suja, mas sem perder a organicidade, a produção da própria banda foi decisiva no resultado final do álbum.

Mesmo assim, a energia é a mesma dos dois primeiros trabalhos, mas, no geral, as formas brutais do death metal praticado pelo trio estão mais criativas e melhor definidas em mudanças de tempo constantes, e inserção pontual de melodia nos solos crispados de dissônancias à cargo do excelente guitarrista André Nálio.

A gravação crua conferiu um clima claustrofóbico, e impressionantemente moderno que envolve o gutural clássico de Fernando, também responsável pelo baixo de timbragem nervosa.

Fica nítido que a experiência adquirida nos últimos anos foi determinante para erigir uma forma tão cativante de death metal construída sobre os pilares da forma brasileira do gênero, como vemos nas porradarias insanas de “Rise and Fall Again” (não indicada a ouvidos sensíveis) e “Asphalt Eaters” (quiçá a melhor do disco), que chegam na sequência com organicidade.

Neste momento, é importante enaltecer, pois já é perceptível ao fim da trinca de abertura, a mão de Andy Classen (nome vinculado a bandas como Asphyx, Krisiun, Belphegor, e Rotting Christ), responsável pela mixagem e masterização, no resultado final de  “Accept the Death”.

Fica claro que Classen foi a escolha certeira  para transpor  energia tradicional e adormecida do death metal do Funeratus para a modernidade do gênero, ampliando e oxigenando o poderio dos riffs intrincados, acompanhados do trabalho técnico e virulento da cozinha, sem requinte ou firulas desnecessárias, apenas perversões musicais trabalhadas na brutalidade, que ainda nos dão acepípes de primeira classe do extremismo metálico, como “Lost Souls”, “Follow the Track” (longa e bem elaborada) e “Endless Battle” (faixa instrumental de separar a carne dos ossos!).

O processo de composição de “Accept the Death” durou quase uma década, o que explica o esmero e a atenção aos detalhes em cada curva dos arranjos nervosos, e nas variações precisas de velocidade. E aqui cabe um destaque ao baterista Guru Reis, que dá uma aula de precisão, brutalidade e ritmo. Sem dúvidas, sua performance é o sustentáculo destas nove faixas.

Cada parte de “Accept the Death”, seja na arte de capa e encarte, produção, mixagem, e composição, é de primeiro nível, separando o profissional do diletante dentro da cena extrema nacional.

Enfim, mesmo que não possamos cobrar algo de uma banda, este é o disco do Funeratus que esperamos por muito tempo. Ou seja, “Accept the Death” é um disco empolgante de uma banda clássica.

Comentários

Deixe uma resposta