ATUALIZANDO A DISCOTECA: Flying Colors, Flying Colors (2012)


Assinar blog por e-mail

Digite seu endereço de e-mail para assinar este blog e receber notificações de novas publicações por e-mail.

flying-colors
Flying Colors: “Flowing Colors” (2012)

A reunião de músicos consagrados pode ser muito perigosa. No caso deste lançamento temos o guitarrista do Deep Purple, Steve Morse, e Mike Portnoy, ex-baterista do Dream Theater.

Premissas quanto à importância de tais bandas se faz desnecessária. Sendo assim, vamos ao disco em si.

Na verdade o que temos aqui é o lançamento do mais recente supergrupo completado pelo gênio Neal Morse (Spock’s Beard) nos teclados e vocais, Dave LaRue (Dixie Dregs) no baixo e Casey McPherson nos vocais, violão e guitarra.

A primeira certeza ao fim do álbum é de que a química entre os músicos aconteceu e que este projeto não é mais uma forma de cada um deles mostrar suas habilidades em um amontoado de canções.

Não que o álbum seja um primor de originalidade e modernidade, mas é muito consistente em suas variações pesadas, melódicas ou leves.

Convenhamos que combinar estes elementos não é uma tarefa das mais fáceis. A produção é esmerada e todos os instrumentos podem ser ouvidos de maneira limpa.

O trabalho vocal é digno de nota – Casey, o mais desconhecido deles, fez um trabalho impecável – e boas composições como Blue Ocean, a bela Kayla, Forever In a Daze (e seu refrão grudento aliado ao belo solo de baixo), Love Is What I’m Waiting For (que lembra as composições do Supertramp com um solo a lá Queen), Everything Changes (uma bela balada que consegue não ser clichê por seu tempero psicodélico), Better Than Walking Away (tão leve quanto bela), All Falls Down (pauleira total) e a apoteótica e épica Infinite Fire dão brilho a este lançamento.

Não é possível estabelecer nenhuma comparação com o que os músicos fazem em suas bandas originais, mas o resultado final é excelente e pode ser feito um paralelo como o impacto causado pelo supergrupo oitentista Asia, que era formado por grandes nomes do rock progressivo e que buscaram uma sonoridade menos rebuscada.

Comentários

1 comentário Adicione o seu

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *