ATUALIZANDO A DISCOTECA: Final Void, “Sounds of Absence” (2017)

Assinar blog por e-mail

Digite seu endereço de e-mail para assinar este blog e receber notificações de novas publicações por e-mail.

Por Will Bernardes

final_void_album_cover
Final Void: “Sounds of Absence” (2017, Inverse Records) NOTA:8,0

Em seu debut, o Final Void propõe uma sonoridade singelamente elaborada, emulando características de bandas que influenciaram em seu desenvolvimento em meados de 2012, quando o grupo se formou em Tampere na Finlandia.

Nomes conhecidos como Sentenced, Opeth, Sonata Arctica e Katatonia, são de grande contribuição para a construção musical do quinteto, que ao longo de 3 anos, desde sua formação, aprimoraram suas técnicas e cresceram musicalmente, para só assim dar o primeiro passo no processo de elaboração de seu primeiro álbum, por volta de 2015.

Os traços de suas origens Hard Rock permaneceram, mas o que se vê em “Sounds of Absence”, é uma ponte entre o Rock melódico e o Heavy escandinavo, o que traz no conceito final do disco, uma mistura homogênea de estilos que, em grande parte da obra, agrada pela diretriz sonora e explorações técnicas sutis, contudo bem dosadas.

Confira a faixa “Dianthus”… 

As variações no decorrer das músicas soam naturais e bem dinamizadas, onde vocais melódicos e guturais se alternam no tempo certo, sustentadas pelas mudanças de cadencias instrumentais, com guitarras sólidas e bem timbradas tanto em base quanto solos, e a cozinha baixo e bateria que enaltece bem o peso nos andamentos.

Destaques vão para “Dianthus”, onde o instrumental é bem conduzido e a ambientação gótica soa bem concisa. E “For you” que mostra o lado mais melódico do grupo, com linhas mais rápidas e elevadas, e um refrão que gruda logo de primeira. Ainda “Desperation Rises”, “Bad Memory” e “The Day You Sold Your Heart” completam a lista de melhores do álbum.

Confira a faixa “Thoreau”… 

O quinteto apresenta em “Sounds of Absence” uma tentativa de explorar seus conhecimentos técnicos, diversificando suas influencias, contudo o que se ouve nas 9 faixas, apesar dos variados direcionamentos, é um compilado de composições usuais mas que não se definem em um único gênero. Apesar da simplicidade os finlandeses alcançam um trabalho de boa qualidade com um tracklist bem requintado.

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *