ATUALIZANDO A DISCOTECA: Epica, “The Solace System” (EP, 2017)

Assinar blog por e-mail

Digite seu endereço de e-mail para assinar este blog e receber notificações de novas publicações por e-mail.

epica-the-solace-system
Epica: “The Solace System” (2017, Nuclear Blast, Shinigami Records) NOTA: 9,0

Os dois últimos discos da banda holandesa Epica, “The Quantum Enigma” (2014) e “The Holographic Principle” (2016), deram um novo sabor ao symphonic metal já tradicional em sua discografia. Não só pela musicalidade, mas principalmente pela mudança da temática. Agora mais voltada à ciência moderna.

“The Holographic Principle” inclusive trabalha com um tema interessantíssimo envolvendo uma das melhores conjecturas sobre a formação de nosso universo, ligada à teoria moderna dos universos paralelos. Se você quiser entender um pouco mais sobre a ciência explorada pela banda nas letras, temos este texto sobre o tema. 

Essa troca da filosofia pela ciência deu ainda mais complexidade à arte musical da banda construída por arranjos sinfônicos e instrumental pesado. Músicas criativas, desenvolvidas com movimentos inteligentes e poderosos, gerando uma personalidade ambiciosa e grandiloquente dentro do metal sinfônico.

Uma criatividade que frutificou em 27 composições para “The Holographic Principle”, sendo que dezoito foram gravadas e apenas doze foram para o repertório oficial do trabalho.

As seis faixas que ficaram de fora estão compiladas aqui, neste EP intitulado “The Solace System”. Uma inegável extensão não só lírica, mas também musical de “The Holographic Principle”. 

Ou seja, podemos esperar uma banda mais metálica do que sinfônica, e até agressiva em certos momentos específicos, com as melodias mais guiadas pelas guitarras, ou aos refrãos cativantes, que soam mais fortes do que na primeira metade de sua discografia.

Na verdade, até mais do que em “The Holographic Principle”,  o peso soa orgânico e vibrante, como a faixa título já mostra na abertura, com mais vigor nos riffs  e solos, do que pompa nos desenvolvimentos sinfônicos bombásticos.

A sonoridade se tornou mais dual, com sombras nos arranjos metálicos e luz nos aspectos sinfônicos, dando um contraste interessante, principalmente quando misturados.

Porém, agora, você pode tirar os elementos alheios ao heavy metal e as músicas não perderão seu sentido melódico, como acontecia com mais intensidade até “The Divine Conspiracy” (2007). Pegue “Architect of Light” (com vocais guturais aqui e acolá), por exemplo, e veja como é possível imaginá-la despida da roupagem sinfônica, e ainda mantendo a alta qualidade.

Ao mesmo tempo, essas características pesadas se apresentam em total equilíbrio com detalhes riquíssimos de percussão, corais e orquestrações orgânicas, dando o clima de trilha sonora, mas sem descaracterizar o heavy metal, injetando requinte e emoção, e tirando o aspecto calculado que assombra alguns nomes do metal sinfônico, principalmente nos momentos em que a musicalidade se torna complexa. 

É desnecessário falar da competência de Simone Simons. O que essa beldade do heavy metal canta e interpreta é uma barbaridade! Impressiona como ela consegue imprimir emoções de formas tão fluidas e feéricas, casando perfeitamente com a dinâmica progressivamente complexa do instrumental.

Além dela, e do óbvio talento de Mark Jansen, o trabalho de Ariën van Weesenbeek, o baterista do Epica, é de cair o queixo. O que ele faz em “Wheels Of Destiny” é de arrepiar, principalmente na introdução.

Essa, junto a “Decoded Poetry”, é outra faixa que mostra um Epica muito mais interessante e maduro, melhor que ao menos metade das composições que entraram em “The Holographic Principle”

Usando as palavras do próprio Mark Jansen, guitarrista, fundador e principal compositor do Epica:

“Os ouvintes podem esperar um EP de alta qualidade, com músicas que são muito boas para usá-las apenas como faixas extras. Queríamos lançar essas músicas dentro de um contexto. É sempre difícil decidir quais músicas estarão no álbum, porque isso significa que você precisa deixar em um canto algumas músicas com melhor qualidade só pelo fato de não se encaixarem no fluxo geral do álbum ou porque outras são mais adequadas liricamente”

De fato! Mesmo com apenas seis composições, a qualidade de faixas como “Fight Your Demons” (exemplificando bem o que dissemos sobre as guitarras banhadas em mais peso), “Inmortal Melancholy” (uma belíssima balada), e a já citada “Wheels Of Destiny” (com intricadas evoluções progressivas) mostram que elas mereciam ganhar registro oficial com mais destaque do que as tradicionais faixas bônus.

Isto me faz afirmar que este “The Solace System” está muito além de uma simples seleção de sobras de estúdio de “The Holographic Principle”. Mesmo porque tudo que vem atrelado ao nome Epica já carrega um selo de alta qualidade, tanto em composição quanto em produção.

Para usar um termo moderno, “The Solace System” seria uma espécie de spin-off de luxo de “The Holographic Principle”!

Compre o CD na loja da Shinigami Records por este link.

Assista o clipe da faixa “The Solace System”…

Assista o clipe de “Immortal Melancholy”… 

Assista o clipe de “Decoded Poetry”… 

 

Comentários

Deixe uma resposta