ATUALIZANDO A DISCOTECA: Elvenking, "Secrets of the Magick Grimoire"

Assinar blog por e-mail

Digite seu endereço de e-mail para assinar este blog e receber notificações de novas publicações por e-mail.

cover
Elvenking – “Secrets of the Magick Grimoire” (2017, AFM Records, Valhall Music) Nota:10,0

Sem dúvidas, desde 1997, quando a banda italiana Elvenking foi formada, “Secrets of the Magick Grimoire”, é seu melhor trabalho!

Com uma discografia diferenciada dentro do metal melódico, usando elementos diferenciados com criatividade, mas colecionando tanto erros quanto acertos.

Climático, sinfônico, envolvente, dinâmico e melódico, este nono álbum do Elvenking mostra toda a sua evolução como compositores, bem como maturidade para equilibrar o requinte épico-folk, de sabor de trilha sonora, com a melodia acessível do Hard n’ Heavy cativante e envolvente que tangencia certas bandas de Power Metal Melódico.

Neste panorama musical, onde parecem ter encontrado a melhor forma de sua sonoridade, resgatando parte importante do conceito musical (existem pinceladas de death metal black metal) e lírico (aqui cada faixa é uma página de um grimório) da banda, aprimorando a retomada iniciada no álbum anterior, “Oagan Manifesto” (2014).

 “Invoking the Woodland Spirit” abre o álbum com energia metálica e “grudência” Hard Rock, que circundam um refrão imperativo, e enérgico. Por esta composição já percebemos que as orquestrações e detalhes sinfônicos folk estão bem alocados, indo além do clichê “festa na floresta”, com grandiloquência e fervura metálica.

Confira o lyric video da faixa “Draugen’s Maelstrom”… 

Mas além da estrutura usual que a banda apresenta, podemos notar, sob a camada power folk metal, guitarras equilibrando virtuosismo e apelo melódico acessível duelando com vocais cativantes pelo protagonismo das composições, sustentadas por linhas de bateria que guiam as mudanças de andamentos nos dando a impressão de que estamos diante de uma banda de Hard n’ Heavy melódico em vestes folk elegantes, que trabalha sua música de modo inventivo, e estruturalmente variado, mas que permanece acessível, envolvente, mesmo que não tão imprevisível.

E durante o decorrer das faixas, passamos por momentos de power metal mais aflorado (“3 Ways to Magick”, e “The Voynich Manuscript”), leves tangências com o pagan metal, principalmente pelos vocais em faixas como “Draugen’s Maelstrom”, “A Grain of Truth”, e “At the Court of the Wild Hunt” (a melhor do álbum, sem dúvidas!), e cativantes momentos voltados ao Hard Rock (como em ” At the Court of the Wild Hunt”).

Uma variação coesa, de personalidade forte, cheia de camadas e arranjos complexos que se revelam a a cada nova audição, muito bem desenhados por uma produção que conseguiu delinear bem e amplificar os aspectos melódico, folk e de mais peso.

Confira a faixa “The Horned Ghost and the Sorcerer”… 

Já “Straight Inside Your Winter”, “The One We Shall Follow” “The Horned Ghost and the Sorcerer”  se aproximam com mais intensidade do folk, mas com detalhes e formas diferentes do usual, dando mais espaço aos aspectos metálicos e usando as texturas folk como tempero. Além disso, o alto teor Hard Rock permeado nestas doze composições vem amplificado, sem dúvidas pelo vocais de Damn, cujo timbre se alinha ao gênero.

Cada detalhe é bem colocado, e nada sobra, falta, ou se repete nestas composições, e confesso que ao fim da trinca inicial já tinha dado nota máxima para “Secrets of the Magick Grimoire”, mesmo sem ter ouvido a obra-prima intitulada ” At the Court of the Wild Hunt”.

Um dos grandes álbuns de 2017!

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *