ATUALIZANDO A DISCOTECA: Daimonos, “Intense Madness” (2016)

Assinar blog por e-mail

Digite seu endereço de e-mail para assinar este blog e receber notificações de novas publicações por e-mail.

63433511
Daimonos: “Intense Madness” (2016, Heavy Metal Rock, Violent Records, Impaled Records) NOTA:9,0

Após uma intro acachapante e aterradora, “My Tormentor” entra em cena, com versos viscerais entoados por vocais guturais, e emoldurados por um instrumental brutal e agressivo, calcado no Death/Black Metal, servindo de arauto para o primeiro álbum da banda potiguar Daimonos, lançado em 2016, após o EP auto-intitulado de 2014, e dando início a um hinário de terror, tortura psicológica e carnificina.

E a brutalidade não dá descanso enquanto se desenvolvem as oito faixas, em quase trinta minutos de Metal Extremo brutal, intenso, técnico, crú, e virulento (o baterista Lucas Daniel é um destaque à parte neste sentido) mas também muito inteligente em suas variações de andamentos, com claras influências de bandas consagradas do gênero como Behemoth, Belphegor, e Hate.

Esta dinâmica fica ainda mais evidente nas linhas de guitarra à cargo de Dennys Silva e Kádson Breno, que sacam solos e riffs inflamados da massa sonora que deixa até um zumbido nos ouvidos durante o silêncio de transição entre as faixas. Alguns momentos geram a suspeita de que a dupla estudou bastante os ensinamentos de James Murphy, Trey Azagthoth, e Allen West.

Confira o álbum na íntegra… 

Dentre as composições, destaques para “What Can You Do For Me” e “Beyond”, que refletem um esmero na hora de construir cada detalhe das composições, tentando sempre aliar a técnica com a agressividade, como bem mostra “World of Chaos”, que esboça um desenho geométrico que beira a exploração progressiva do Death/Black Metal, flertando até mesmo com linhas de guitarra inerentes ao Thrash Metal.

Todavia, não pense que a banda segue as fronteiras mais comuns do gênero. Eles produzem uma identidade própria através de diversas influências que reafirmam todo o negrume e obscuridade que existe no Heavy Metal, não deixando o trabalho nada cansativo, pelo contrário. Pode até soar paradoxal, mas todas as faixas são envolventes.

Brutal, intenso, técnico, crú, e virulento, são adjetivos que cabem ao Death/Black Metal, presente no primeiro álbum da banda potiguar Daimonos, lançado em 2016, um surpreendente hinário de terror, tortura psicológica e carnificina.

Lógico que existem algumas arestas que precisam ser aparadas para que a sonoridade não soe truncada, principalmente quando buscam formas mais dinâmicas dentro das faixas, além de lapidar um pouco mais a produção (que mantém a tonalidade certa de organicidade), ampliando a nitidez das guitarras, que e alguns momentos ficaram soterradas na gravidade encorpada da seção rítmica.

Além disso, seria aconselhável uma maior evidencia aos ótimos vocais de Mirella. Seus guturais impressionam, principalmente pela versatilidade de trânsito entre as escolas do Death e do Black Metal, sendo o diferencial da banda.

De bônus temos o primeiro EP da banda completando as treze faixas ao todo, com destaque para a  impressionante “Fools Deserve To Die”, mostrando toda a evolução que o Daimonos sofreu nos dois anos que separam os trabalhos, e reafirmando o potencial altíssimo que possuem dentro da cena extrema brasileira.

“Intense Madness” é uma gratíssima surpresa dentro do Metal nacional, e o Daimonos é uma banda que acompanharei de perto a partir de agora

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *