CLÁSSICO DA LITERATURA: "Crônica de uma morte anunciada", de Gabriel Garcia Márquez.

Assinar blog por e-mail

Digite seu endereço de e-mail para assinar este blog e receber notificações de novas publicações por e-mail.

Por Laira Arvelos

53066
Gabriel Garcia Márquez: “Crônica de uma Morte Anunciada” (“Crónica de una Muerte anunciada”, 1981)

“Em que e em quem acreditar? Como descartar a parcialidade das versões e ‘o espelho quebrado da memória’? ”

Gosto muito de romances policiais, livros de mistérios ou com fatos surpreendes. Neste sentido “Crônica de uma morte anunciada” me atraiu ‘à primeira vista’ pelo título instigante, a bela capa e por ser escrito por um dos mais fantásticos escritores da língua castelhana; Gabriel Garcia Márquez.

Gabo, para os amigos, nasceu em Aracataca, no dia 06 de março de 1928, foi escritor, jornalista, editor, ativista e político colombiano. Considerado um dos autores mais importantes do século XX, foi um dos escritores mais admirados e isso se refletiu nos mais de 40 milhões de livros vendidos em 36 idiomas. Recebeu nada menos que o Prêmio Internacional Neustadt de Literatura (Neustadt International Prize for Literature) em1972, e o Nobel da Literatura de 1982 pelo conjunto de sua obra.

O desconcertante chega logo na primeira linha do romance: Santiago Nassar irá morrer. Acabou-se a primeira surpresa. Quem seriam seus algozes? E porque o matariam? Não demora muito e este ’segredo’ também é revelado. Pensamos, pois, o que acontecerá agora se já sei o desfecho do livro, aí entra então o brilhantismo de se contar uma boa história.

A trama compreende uma narrativa jornalística envolvente, onde uma teia de fatos excitantes se constrói acompanhando o último dia de vida de Santiago Nassar. O narrador personagem, anos após do ocorrido, resolve averiguar e esclarecer a morte de Santiago, e através de entrevistas ele nos ambienta na pequena vila do ocorrido e nos apresenta personagens através de suas falas e informações, personagens misteriosos, fantasiosos e melancólicos.

Gabriel Garcia Marquez, Gabo para os amigos, foi escritor, jornalista, editor, ativista e político colombiano, laureado com o Nobel da Literatura de 1982 pelo conjunto de sua obra.

A história vai sendo arquitetada como um quebra cabeça, em alguns momentos a leitura te traz a sensação de estar assistindo um documentário, onde a cada fala, figuras e locais são construídos em sua cabeça. Apesar de ser anunciado com uma crônica, o enredo é uma mescla de gêneros pois Márquez pincela lirismo em várias partes da obra.

O incomum é que muitos sabiam que Santiago corria perigo, mas não fizeram nada para o ajudar ou evitar que algo acontecesse, o que nos leva a pensar: Como podemos estar tão absortos em nossos mundos e deixar de oferecer socorro e como são frágeis as relações de vida, moral, vingança e morte? Quem assiste uma injustiça acontecer sem interferir não seria também culpado? Alguns dos relatos se parecem fantasiosos e contraditórios o que reforça ainda mais a impressão de que há mais mistério ou culpa na morte de Nassar.

Um livro que apesar de falar sobre um cruel assassinato, não tem como foco principal a tragédia e morbidez e sim uma história simples e leve. Um livro para ler em um só fôlego, uma reconstrução jornalística literária que conquista pelo incerto; Santiago seria realmente culpado? Vingança e Justiça são sinônimas? Uma narrativa envolvente, para ser devorada com avidez e boa pedida para levar o leitor a conhecer mais a obra deste grande homem.

Salve Gabito!

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *