ATUALIZANDO A DISCOTECA: Blixten, “Stay Heavy” (2018)

Assinar blog por e-mail

Digite seu endereço de e-mail para assinar este blog e receber notificações de novas publicações por e-mail.

Blixten Stay Heavy ep CAPA
Blixten: “Stay Heavy” (2018, EP, MS Metal Records) NOTA:8,0

“Stay Heavy” é o EP que tem a missão de apresentar a banda paulista Blixten, quarteto oriundo de Araraquara dedicado à prática determinada do hard n’ heavy oitentista, em forma, conteúdo e figurino (ao menos para a vocalista).

Nestas seis composições que completam “Stay Heavy” fica claro que os vocais de Kelly Hipólito (que traz referências de Joan Jett, Doro Pesch e Noora Louhimo) são os guias deste primeiro passo discográfico.

De fato, ela é uma vocalista extremamente versátil dentro do espectro entre os tons graves e agudos, movimentando-se por ele de modo fluido, seja em faixas mais rápidas (como “Strong as Steel”) ou cadenciadas (“Maktub”), mais pesadas ou mais melódicas. Kelly consegue ir da tenacidade punk à determinação furiosa do speed metal

E assim como dão mais espaço à velocidade e ao peso da fórmula, pendendo bastante para o heavy metal tradicional, mesclam influências de Twisted Sister, Iron Maiden, Warlock e Anthrax, ou seja, costurando elementos da escola norte-americana do hard n’ heavy, com o  metal teutônico e a NWOBHM.

Claro que “Stay Heavy” carrega um apelo nostálgico, mas não se confunda, não estou dizendo que a personalidade musical do Blixten seja datada.

Em contrapartida, obviamente não estão querendo reinventar o gênero, mas praticá-lo com empenho e esmero, como mandam os clichês escritos na década de 1980, e é justamente daí que vem a nostalgia. Bem vinda nostalgia, diga-se!

Um ponto positivo nas composições como um todo, mesmo que simples, diretas (são seis músicas em 19 minutos), e até lineares, é que o Blixten escolheu não passar um verniz moderno na produção, deixando tudo o mais orgânico possível para executar sua proposta que mesmo assim produz composições diversificadas e esmeradas.

Que o diga a abertura com “Trapped In Hell”, que reúne todos os atributos supracitados empacotados numa raivosidade quase punk, sendo um contraste impactante com a abertura orquestrada e dramática de “Requiem Aeternam”.

O mofo dos riffs de guitarra e melodias assertivas dos refrãos contagiantes resgatados do passado  é retirado pela timbragem mais crua, que confere uma sujeira natural para que o resultado final seja limpo, mas não polido demais, ao mesmo que possui força e não deixa buracos no instrumental.

“Stay Heavy” foi gravado no estúdio Távola em Araraquara, com produção acertada (principalmente se compararmos com a produção da bonus track), o que já é louvável num primeiro lançamento. Só um pouco mais de atenção a alguns exageros vocais, e um melhor acabamento nas letras, e o Blixten tem tudo pra ter grande destaque na cena!

Nesse sentido, destaque para a faixa-título, a climática “Maktub” (com ótimas guitarras e possivelmente a melhor do EP) e a “velha” conhecida “Like Wild”  que são provas cabais de que como não é necessário “reinventar a roda” pra se fazer um heavy metal contagiante e incisivo!

Track List:

01. Intro
02. Trapped In Hell
03. Stay Heavy
04. Maktub
05. Strong As Steel
06. Like Wild (bônus)

Formação:

Kelly Hipólito – Vocais
Miguel Arruda – Guitarra
Aron Marmorato – Baixo
Murilo Deriggi – Bateria

 

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *