ATUALIZANDO A DISCOTECA: Heretic, “λειτουργία” (2015)

Assinar blog por e-mail

Digite seu endereço de e-mail para assinar este blog e receber notificações de novas publicações por e-mail.

heretic2bcapa
Heretic: “λειτουργία” (2015, Independente) NOTA:9,0

Um álbum que já abre com guitarras pesadas permeando psicodélicos arabescos atonais que convergem para uma faixa de abertura flamejante,  evocando ritmos brasileiros através do uso de percussão e das seis cordas. É exatamente este padrão que seguirá em “Leitourgia” (o que se obtém após converter os caracteres gregos para nosso alfabeto), segundo álbum lançado pela banda goiana Heretic, em 2015. Sua faixa de abertura, “Rajasthan Ritual” é uma verdadeira dança entre influências orientais e ocidentais da música moderna.

Mas não pense que estaremos diante da brutalidade do Nile, mesmo que tenhamos esbarrões com o Metal Extremo, ou  tradicionalismo lírico e vocal do Orphaned Land, pois a proposta é mais exploratória, intrincada, e por que não, psicodélica (confira a onírica releitura para “Solitude”, do Black Sabbath).

E poucos foram os nomes dentro da música brasileira que ousaram em investir em uma forma tão exótica de música (talvez apenas a banda Bombay Groovy, mas numa direção diferente – clique aqui para saber mais). Ainda mais, poucos foram aqueles que tiverem capacidade técnica para unir movimentos de Heavy Metal intrincados, como os da faixa “Lamashtu”, ou de “Unleash the Kraken”, com arabescos e orientalismos musicais de modo tão exótico.

 “Leitourgia” (o que se obtém após converter os caracteres gregos para nosso alfabeto), segundo álbum lançado pela banda goiana Heretic, em 2015, é uma verdadeira dança entre influências orientais e ocidentais da música moderna.

Claro que fica perceptível a sensibilidade fervilhante necessária para expandir tal exotismo (confira a faixa “Sonoro”). A adição de instrumentação típica à formação básica do Heavy Metal já não é mais novidade, mas a banda investe na imprevisibilidade musical para engrandecer suas passagens cheias de arabescos misturadas a vocalizações, efeitos pertinentes (como na introdução de “Ghost of Ganheesha”), além de coros hipnotizantes entremeados por várias facetas do metal.

Mesmo sendo um álbum de música instrumental, a variabilidade dos arranjos e das passagens torna as canções dinâmicas. “I Am Shankar” traz uma riqueza de detalhes que gera a girar o farol do Folk Metal para uma direção quase diametralmente oposta, buscando a música folk de um hemisfério diferente, afinal, existem passagens mais tradicionais e progressivas do Metal, mas também temos flertes fortes com as sonoridades do Black Metal e do Death Metal.

A proposta é concretizada de modo fluido e explorativo dentro da abordagem progressiva e até mesmo jazzística (confira o desfecho com “The Hedonist”), de tempero musical indiano, e dando o mesmo espaço para o Heavy Metal que é concedido a suas incursões orientais, tirando do segundo apenas o caráter climático.

Confira a faixa “Rajasthan Ritual” …  

Imprevisibilidade aqui é a palavra de ordem! As guitarras estão vibrantes e bem desenvolvidas, assim como as linhas de baixo e bateria, e quando a banda se dedica apenas ao Heavy Metal, é impressionante a versatilidade de seus integrantes ao transitar por diversos estilos diferentes.

Não existem regras musicais. As composições soam livres, e quando tudo parece caminhar para a normalidade, de repente, emerge um riff sinuoso em meio a uma geometria inspirada pelo Death Metal (como em “Sensual Sickness”) que, por sua vez, se esparrama em difusos e lascivos efeitos dedilhados de tempero brasileiro.

Em meio a esta caleidoscópica viagem musical, emerge um álbum flamejante, onde as excentricidades e os exotismos são parte da obra e não simples adornos jogados com o objetivo de soar diferente. Eu daria somente um pouco mais de limpidez à produção. Pense o que seria de uma peça como a acachapante “Solaris” com um pouco mais de brilho!

E, talvez, por isso tudo, junto a falta dos vocais, tão valorizados num gênero como o Heavy Metal, o resultado final seja tão artisticamente belo quanto de difícil digestão. Mas se você já está habituada à música instrumental e possui a mente aberta, certamente vai encarar este trabalho como deve ser: o Heavy Metal transformado ainda mais em arte musical!

Confira, via Bandcamp, o álbum na íntegra… 

 

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *