ATUALIZANDO A DISCOTECA: Armada, "Armada" (EP, 2017)

Assinar blog por e-mail

Digite seu endereço de e-mail para assinar este blog e receber notificações de novas publicações por e-mail.


Armada Capa Compacto
Armada: “Armada” (EP, 2017, Hearts Bleed Blue) NOTA:8,0

A ano de 2016 marcou o fim (das atividades) da histórica banda punk brasileira Blind Pings, mas o começo de um nova história para a banda Armada. Após a morte do guitarrista Fabiano e da saída do também guitarrista Gordo, os remanescentes do Blind Pigs, Henrike Baliú (voz), Alexandre Galindo (guitarra), Mauro Tracco (baixo) e Arnaldo Rogano (bateria), decidiram seguir adiante com novas influências e sonoridades, que já clamavam por espaço entre as tradicionais referências punk a Ramones, Stooges, MC5, e  Stiff Little Fingers que existiam em suas músicas.

Assim, nascia a banda Armada, que ainda inclui em suas fileiras o guitarrista Ricardo Galano (Não Há Mais Volta) e apresenta seu EP de estréia, com duas músicas impressas num lindíssimo vinil 7” dourado. A sonoridade transita pelo street punk e pelo Folk Rock europeu, mas como se cantado por bucaneiros irlandeses que seguem a cadência do mar para dar ritmo às harmônias construídas para se cantar com o punho em riste.

Confira a faixa “Bandeira Negra”… 

“Bandeira Negra” abre a discografia da nova banda com um punk entremeado de guitarras roqueiras, principalmente no solo, ritmo bem marcado, linhas vocais construídas sobre melodias envolventes que culminam num refrão interessante, prontas para entoar motivos bucaneiros bem combinados ao Folk Rock europeu. Um verdadeiro hino de convés, perfeito para momentos regados a rum em copos de madeira.

Nesse sentido fazem um blend interessante entre a abordagem punk do Blind Pigs com o “Rock pirata” (da banda Confraria da Costa, por exemplo), sem esquecer de temperar tudo com detalhes abrasileirados. Se o Brasil fosse um país onde houvesse espaço para o Rock nas rádios e na Tv, essa composição fatalmente seria um hit.

Virando o EP (sim, fizemos questão de adquirir a versão física) temos “Eterno Marujo”, primeira música composta pela banda, responsável por definir a sua identidade musical, trazendo ainda mais evidentes nos versos e nos backing vocals imperativos a inspiração pirata, além de explorar mais fortemente as melodias folk e de acento celta.

Confira a faixa “Eterno Marujo”…  

É fato que não existe inovação na sonoridade do Armada, mas também é fato que a proposta funciona musicalmente, e diverte o ouvinte, sem soar pretensiosa, e variando de modo dinâmico a velocidade enquanto trabalha, por uma produção orgânica e competente, harmonias e texturas cruas com esmero e coesão, se esbaldando desavergonhadamente (para o bem) em clichês eficientes e cativantes, tanto do “hinário marítimo” quanto punk de sabor celta.

O EP, em vinil sete polegadas dourado, é um lançamento da Comandante Records em parceria com a Hearts Bleed Blue (HBB), que será a responsável pelo álbum completo do grupo, previsto para janeiro de 2018, que também trará “Eterno Marujo” e “Bandeira Negra” no repertório.

Comentários

Deixe uma resposta