ATUALIZANDO A DISCOTECA: Álcool, “Selvagens da Noite” (EP, 2016)

Assinar blog por e-mail

Digite seu endereço de e-mail para assinar este blog e receber notificações de novas publicações por e-mail.

 

614583
Álcool: “Selvagens da Noite” (2016, Cianeto Discos) NOTA:8,5

Houve um tempo em que tudo o que era rápido e pesado no heavy metal era encaixotado sob o rótulo de speed metal. 

Metallica, Exciter, Helloween, Slayer e Venom compartilhavam esse mesmo selo, mesmo que hoje pareçam tão diferentes em decorrência dos subgêneros que surgiram com o passar do tempo no heavy metal. 

Mas hoje em dia o termo speed metal se tornou quase um sinônimo de quem se dedica ao culto do heavy metal “puro sangue”, consagrando os modos da era de ouro do gênero, quase como uma prática hermética e incorruptível dos mais saborosos e emocionantes clichês da música pesada, exaltando seus excessos e “marcas registradas”.

Sim, existe algo de “ritualístico” nas bandas atuais que se dedicam ao speed metal, com forma e conteúdo, ritos e mandamentos, trajes e simbolismos, como bem mostram os hinos compostos pelas banda paulista Álcool em seu primeiro EP, intitulado “Selvagens da Noite”,  já na abertura com “Purgatório”, dramática e melódica como o início de um ritual sombrio e orgástico.

Claro que pelo título é impossível não lembrar do filme “Os Selvagens da Noite” (1979), baseado no clássico literário de Sol Yourick, “Warriors”, sobre uma gangue que precisa cruzar a cidade de Nova York enquanto e caçada pelas demais gangues rivais, tanto pelo título quanto pela arte da capa.

Uma violência das telas e páginas que aqui é equiparada pela musicalidade visceral, de trato old-school nos movimentos velozes, riffs cortantes e virulência rítmica de quem também tangencia o thrash metal, principalmente nos desenhos melódicos, capitalizando energia de bandas tradicionais como Dorsal Atlântica, Overdose, Exciter, Slayer e Celtic Frost.

A faixa “Álcool” tem a forma, conteúdo e simbolismo aos quais eu me referi anteriormente, assim como “Conjuração” corrobora o aspecto ritualístico deste bem feito revival da forma oitentista do heavy metal. 

A musicalidade bem feita e esmerada criada pelo trio formado por Leonardo Araujo (baixo), Igor Senna(guitarra), e Lucas Chuluc (guitarra e vocal), apoiados pelas baquetas de Leonardo Cardoso (músico convidado), camufla a pouca experiência da banda – afinal seus músicos são jovens -, com segurança e conhecimento de causa para a música que se propõem a construir.

Tudo bem! alguns pontos do discurso soam inocentes, mas qual “liturgia”, ou “culto”, não padece deste mal em certos momentos?

Existe muita energia, ódio e agressividade em cada movimento, e principalmente nos solos alucinantes. “Sangue no Altar”, por exemplo, é um thrash metal primal, com velocidade nas guitarras, virulência nas linhas vocais e organicidade pulsante na concisa seção rítmica.

“Selvagens da Noite” é o primeiro EP da banda Álcool, que não deixa a intensidade cair em nenhum momento, eficiente no resultado final, principalmente nas faixas “Extermínio” e na própria  “Selvagens da Noite”, com mais dinâmica na estrutura dos arranjos. 

Com o conteúdo latente as obras tradicionais do speed metal, a banda Álcool consegue com este EP apresentar a banda e gerar expectativa pelos seus próximos passos.

Confira a faixa “Selvagens da Noite”… 

Confira a faixa “Álcool (Iremos Lutar)”… 

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *