AGATHA CHRISTIE: 3 Livros Pra C0nhecer

Assinar blog por e-mail

Digite seu endereço de e-mail para assinar este blog e receber notificações de novas publicações por e-mail.

Agatha Christie é um fenômeno no gênero policial. A escritora nasceu em Torquay, cidade da Inglaterra, no anos de 1890, e se tornou a romancista mais vendida de todos os tempos, dona de uma prolífica bibliografia, bem como criou alguns mais emblemáticos investigadores da literatura.

Afinal, Hercule Poirot e Miss Marple estão no panteão das mentes dedutivas prodigiosas, junto a Sherlock Holmes, Auguste Dupin, Philip Marlowe e Jules Maigret. Não obstante, decidimos elencar três obras de Agatha Christie que apresentem três de seus personagens principais mais destacáveis, o que nos tira alguns clássicos da lista, obviamente.

Todavia, seria uma tarefa hercúlea pinçar apenas três livros da escritora sem um viés de escolha. Ao longo de sua carreira, são oitenta romances policiais e coleções, sendo traduzida para mais línguas do que Shakespeare e adaptada inúmeras vezes para o cinema e para a televisão. 

1) “Assassinato No Expresso Oriente” (1934)

Resultado de imagem para Assassinato No Expresso OrienteQuiçá, esta é a mais importante trama do baixinho e sempre bem vestido detetive belga Hercule Poirot, um dos maiores detetives da ficção policial que se vê diante de um envolvente mistério, com um desfecho surpreendente. Na trama, pouco depos da meia-noite, uma tempestade de neve pára o Expresso Oriente, um trem de luxo que está surpreendentemente cheio naquela época do ano. Na manhã seguinte, o passageiro norte-americano Samuel Edward Ratchett é encontrado morto com doze facadas em sua cabine que estava com a porta trancada por dentro.  Sim, este é um artifício largamente utilizado (Edgar Allan Poe e seu Auguste Dupin que o digam), mas a forma com que as pistas falsas são colocadas no caminho de Poirot para despistá-lo dão um sabor tão especial à trama, que ele apresenta duas soluções para o mistério.

Confira o trailer para a adaptação de “Assassinato no Expresso Oriente”, com elenco impressionante… 

2) “Convite Para Um Homicídio” (1950)

convita-para-um-homicidio

Miss Jane Marple é um dos personagens mais simpáticos e carismáticos da literatura policial. Cabelos muito brancos, pele rosada e enrugada, olhos profundamente azuis, suaves e inocentes, sempre envolta em xales, coberta de lã e dona de uma mente analítica capaz de rivalizar com Mr. Homes em jogos dedutivos entre um chá e outro no apartamento 221B, na Baker Street. E nada atiça mais esta mente do que uma cena de homicídio, onde demonstra uma determinação inabalável em tramas que misturam suspense, humor e mistério. Em “Convite Para um Homicídio”, numa tranquila e monótona manhã no pequeno vilarejo inglês de Chipping Cleghorn, um anúncio no jornal local deixa os habitantes em polvorosa: todos são convidados a presenciar um homicídio. Pensando ser apenas um jogo de detetive, os vizinhos comparecem em peso, sem estar preparados para o que viria a seguir. Em meio a passados nebulosos e jogos de aparências, o cenário descortinado revela que ninguém é o que parece ser, nos oferecendo um magistral e surpreendente desfecho oferecido pela perspicaz mente de Miss Marple.

3) “O Cavalo Amarelo” (1961)

Um dos meus favoritos livros de Agatha Christie traz o inspetor Lejeune como protagonista, um homem de imaginação, capaz de enxergar por um prima menos ortodoxo que combina perfeitamente com a trama macabra e fantasiosa empregada em “O Cavalo Amarelo”. Nada me tira a impressão de que o olhar aberto do agente Moulder, de Arquivo X, tem muito do inspetor Lejeune. Mas isso é outra história! Nesta trama, forças estranhas e perigosas, aliando velhas crenças a conhecimentos científicos, são responsáveis por assassinatos à distância, por telepatia. Este era um assunto muito discutido na época de confecção do livro, uma teoria conspiratória que tratava de como a CIA e os russos trabalhavam em criar assassinos remotos (saiba mais aqui). “O Cavalo Amarelo” apresenta uma organização criminosa dedicada à eliminação de pessoas ricas, que não emprega assassinos profissionais, uma vez que suas vítimas morrem de doenças, deixando sobreviventes que lucram com as mortes. Numa engenhosa e intrincada rede de investigações Agatha Christie apresenta uma de suas melhores e menos lembradas obras, com um final acachapante!

Menções Honrosas: Claro que estes três livros não são os maiores clássicos da autora, exceto por “Assassinato no Expresso Oriente”, escolhidos pela nossa condição de apresentar investigadores moldados pela engenhosa mente de Agatha. Outras obras também são altamente relevantes como “E Não Sobrou Nenhum”, “O Misterioso Caso de Styles”, “O Homem do Terno Marrom”, “O Assassinato de Roger Ackroyd”, “O Mistério dos Sete Relógios”, “Os Crimes ABC”, “Morte na Mesopotâmia”, “Assassinato no Beco”, “O Caso dos Dez Negrinhos”, “A Mansão Hollow”, “Depois do Funeral”, “Os Relógios”, “Os Elefantes Não Esquecem” e “Cai o Pano”.  

Comentários

Deixe uma resposta